Nielsen

Há menos prendas de Natal a serem compradas nos saldos

No último Natal foram menos os portugueses que decidiram esperar pela época de saldos para comprarem as prendas, quando comparado como o ano anterior, mesmo assim foram 19% os que esperaram por melhores preços, em 2013 a percentagem era de 33. Curiosamente são as classes mais altas que mais esperam pelos saldos após o Natal para fazer as compras: 29% na classe AB e 20% na classe C1. Já nas classes C2 e D, apenas 7% e 16% dos consumidores.

Os dados são do estudo do Observador Cetelem sobre as intenções de compra dos portugueses no Natal, que revela ainda, que, tal como no ano passado, são as mulheres que apresentam o hábito mais vincado de aguardar pelas promoções pós-Natal: 26% contra 12% dos homens.

Os indivíduos mais jovens, das faixas etárias 18-24 anos (26%) e 25-34 anos (24%), são os que mais esperam pela época de saldos para fazer as compras de Natal. Pelo contrário, os consumidores mais velhos, entre os 55 e os 65 anos, são os que menos aguardam pelas promoções de janeiro: apenas 12% deixam as compras de Natal para esta altura do ano.

Leia mais: Portugueses guardam 30% do orçamento de Natal para o bacalhau

O estudo revela ainda que existe uma grande disparidade entre regiões. O Sul é a região onde mais se aguarda pelos saldos de janeiro para fazer as compras de Natal: quase metade dos indivíduos (45%) espera por esta época. No Centro (10%), Lisboa (13%), Norte (16%) e Porto (18%) existe um número substancialmente inferior de consumidores a esperarem pelas promoções para comprar os presentes.

Este estudo foi desenvolvido em colaboração com a Nielsen, tendo sido realizados 600 inquéritos, a indivíduos de Portugal continental, de ambos os sexos, com idades compreendidas entre os 18 e os 65 anos, entre os dias 30 de setembro e 2 de outubr

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

RODRIGO ANTUNES / LUSA

Governo reúne motoristas e patrões em nova maratona de “intransigências”

Posto de abastecimento de combustíveis REPA (Rede Estratégica de Postos de Abastecimento) no Porto (ESTELA SILVA/LUSA)

Revendedores de combustíveis esperam acordo “o mais brevemente possível”

Outros conteúdos GMG
Há menos prendas de Natal a serem compradas nos saldos