Hotéis Real apostam em novo modelo de negócio e numa unidade mais citadina

A comemorar 20 anos de existência, o Grupo Hotéis Real quer apostar em novos conceitos, abrir mais unidades em Portugal e crescer de forma sustentada. Apesar da conjuntura económica menos favorável, o grupo tem conseguido manter uma trajetória crescente e espera mantê-la este ano. Em entrevista ao Dinheiro Vivo, António Gonçalves, administrador do Grupo Hotéis Real, faz um balanço da atividade do grupo e fala dos novos projetos.

Qual o balanço que faz dos 20 anos do grupo?

São 20 anos de um crescimento sólido e sustentável, que refletem os valores sob os quais João Bernardino fundou o Grupo Hotéis Real em 1994: a superação ao aceitarmos sempre novos desafios; a colaboração entre as nossas equipas e com os nossos clientes que se traduz numa flexibilidade de serviço; a excelência na entrega do mesmo; e a Portugalidade dos nossos produtos. João Bernardino Gomes era uma pessoa inspiradora que acreditava em Portugal, nos Portugueses e no seu talento. Desde sempre apostou e investiu nosso país, tendo hoje o Grupo Hotéis Real nove unidades entre as regiões de Lisboa e Algarve.

Ao longo destes 20 anos, construímos um portfólio bastante diversificado e complementar, não sendo uma cadeia de hotéis semelhantes entre si. Em todos os nossos projetos, temos como princípio-base a integração na comunidade local onde estamos inseridos, apostando nos seus factores de diferenciação. Isto traduz-se numa oferta diversificada que responde a diferentes necessidades e segmentos de mercado.

Todo este crescimento deve-se também a uma equipa de mais 800 colaboradores que diariamente auditam o mercado, procurando sempre novas soluções. A aposta nos nossos colaboradores é um investimento fundamental que prezamos. No caso da hotelaria que é uma atividade que compreende uma permanente entrega de serviços, é determinante para a satisfação dos nossos clientes.

São duas décadas de grandes mudanças no mundo em todas as áreas, em que o mercado mudou e nós tivemos de o acompanhar. Adaptámos-nos nalguns casos, e antecipámo-nos noutros, para hoje o Grupo Hotéis Real ser uma empresa sólida e orgulhosa do que oferece, que tem crescido, em determinados momentos mesmo em contra-ciclo com a conjuntura atual.

O grupo tem previstos novos investimentos?

Encontramo-nos numa fase de consolidação, mas também de expansão com novos projetos de gestão. Temos vindo a fazer um grande trabalho na melhoria das infra-estruturas que se traduziu num investimento de três milhões de euros nos últimos dois anos e continuaremos a fazê-lo nos próximos dois anos, atingindo um valor global de investimento na ordem dos 7 milhões de euros. No entanto, acreditamos que temos sempre de evoluir, fazer mais e melhor e portanto temos novos projetos em carteira, nomeadamente na área da gestão de outras unidades. Estamos a ultimar um novo modelo de negócio que denominamos por Real Management e que pretende colocar ao serviço de outros hotéis, já existentes, o conhecimento das nossas equipas de gestão em diferentes áreas.

Não excluímos também a possibilidade de investirmos numa nova unidade hoteleira com um conceito diferente dos que temos neste momento, mais direcionado para o público citadino. Acreditamos que ainda há espaço para crescer e desta forma complementarmos a oferta que temos de momento.

Estamos também a apostar no turismo de Saúde, um dos principais focos de crescimento a nível global, tendo previsto para breve uma nova marca de Spa nos nossos hotéis.

Temos vários projetos em carteira que nos permitem perspetivar mais 20 anos de grande sucesso.

Atualmente contam com hotéis apenas em Portugal: Lisboa, Cascais e Oeiras e Algarve. Pensam na internacionalização do grupo?

O Grupo Hotéis Real aposta no investimento no nosso país, pelo que não temos planos para investimentos no estrangeiro. Saber o que queremos também passa por saber o que não queremos, e atualmente, não queremos internacionalizar a marca Hotéis Real.

Quais as expectativas, para este ano, em termos de resultados?

Esperamos que 2014 dê continuidade à trajetória de crescimento que temos verificado nos últimos anos. Entre 2009 e 2013 crescemos 17% em receita e mais de 30% em resultado operacional e acreditamos que esta tendência se manterá. No ano passado, lançámos uma série de produtos e serviços de acordo com a nossa filosofia, e em 2014 estamos a colher os frutos desse investimento. O objetivo é celebrar esta efeméride em grande com a consolidação do Grupo no panorama nacional.

Quais os principais desafios que a indústria hoteleira enfrenta em Portugal?

Estou em crer que o mercado hoteleiro português tem à sua frente uma conjuntura favorável. Apesar da crise económica, que afetou muito o mercado interno mas também o mercado externo, Portugal está atualmente, e em termos turísticos, num estado de graça.

O nosso país, bem como a cidade de Lisboa, receberam recentemente vários prémios e distinções muito positivas dos mais variados órgãos, o que tem criado muito interesse pelo nosso país. Portugal é muito rico como país, uma vez que num território relativamente pequeno temos uma oferta muito completa, que integra desde praias idílicas a sítios de interesse histórico, bem como um povo muito hospitaleiro e um serviço transversalmente muito bom.

Nos Hotéis Real, desde a construção até à entrega do serviço ao cliente final, privilegiamos o produto nacional e apostamos nos seus fatores de diferenciação, o que se tem traduzido em resultados bastantes positivos.

Como vê o grupo Hotéis Real daqui a 20 anos?

Somos um grupo sólido e iremos manter permanentemente a aposta nas nossas unidades e respetivas equipas. É isso mesmo que continuaremos a fazer nos próximos 20 anos, pelo que antevemos um grupo ainda mais sólido e seguro da sua oferta. Daqui a 20 anos, esperamos continuar a inovar nas opções que apresentamos aos nossos clientes, e responder às suas necessidades e expectativas da forma mais eficiente possível, sempre respeitando os valores que estão na base da nossa fundação: a Superação, a Portugalidade, a Excelência e a Colaboração.

Atualmente os Hotéis Tivoli estão à venda. Estão a olhar para esta oportunidade?

A aquisição de outras unidades de negócio não faz parte dos nossos planos. Queremos crescer através da gestão de unidades hoteleiras com o modelo Real Management, da consolidação da nossa oferta já existente ou através da construção de novas unidades.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(DR)

Crédito ao consumo dispara 15% em outubro

(Paulo Spranger/Global Imagem)

Indemnizações pagas pelo Fundo de Garantia Salarial não escapam ao IRS

CP tem de entregar contrato de serviço público com o Estado até 31 de dezembro. (Leonardo Negrão / Global Imagens)

CP: Adiamento de manutenção de comboios regionais vale demissão

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Hotéis Real apostam em novo modelo de negócio e numa unidade mais citadina