Fim de semana com miúdos

Imaginieer: a primeira revolução 3D da indústrias dos brinquedos

A nova fábrica da Imaginarium é mágica: como se de um génio ou de uma fada dos desejos se tratasse, as crianças podem transformar as suas ideias em ordens ou, melhor, em brinquedos.

O Imaginieer permite aos miúdos serem os engenheiros de serviço: podem escolher o modelo do brinquedo, escolher as cores, os extras e até colocarem o próprio nome no objeto impresso. Depois, o brinquedo é entregue em casa.

Esta é a primeira vez que a indústria dos brinquedos aposta na impressão 3D e, mesmo que o processo não seja assegurado na totalidade pelo “engenheiro”, os miúdos podem ser testemunhas de toda o processo: assinam o projeto e supervisionam a produção.

“A tecnologia 3D significa uma nova revolução. Esta máquina vem permitir-nos fabricar tudo aquilo que sempre quisemos”, explica Félix Tena, presidente da empresa espanhola. Apesar de esta tecnologia estar disponível, por enquanto, para apenas duas linhas de produtos, os planos da Imaginarium passam por alargar o leque de produtos e de possibilidades a muitos mais além dos carros e das jóias customizáveis.

“Um carro demora seis horas a ser produzido mas a fábrica crescerá à velocidade da procura mundial. Consideramos que os brinquedos tradicionais são maravilhosos mas têm que ambicionar a máxima simplicidade. As crianças são nativos tecnológicos, a tecnologia já faz parte da vida delas. Queremos tornar a tecnologia mais humana para integrar e não para afastar.”, assegura Félix Tena.

A possibilidade de mandar fazer um brinquedo personalizado já está disponível, através da loja online, em todo o mundo: os carros custarão 24,95euro e as jóias, 19,95euro, portes incluídos. A partir de 15 de outubro essa possibilidade será alargada a todas as lojas da Imaginarium.

A Imaginarium tem apostado, desde 2002 (ano em que a empresa foi fundada), na área I+D+i que representa, na atualidade, cerca de 20% do investimento total da empresa. A tecnologia dedicada ao Imaginieer, que permite às crianças desenharem e arrancarem com a produção do seu próprio brinquedo personalizado, é reflexo desse investimento.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
coronavirus lay-off trabalho emprego desemprego

Empresas com quebras de 25% vão poder pedir apoio à retoma

Balcão da ADSE na Praça de Londres em Lisboa.

( Jorge Amaral/Global Imagens )

ADSE quer 56 milhões do Orçamento do Estado por gastos com isentos

Fotografia: Miguel Pereira / Global Imagens

Quase 42 mil empresas recorreram a apoios que substituíram lay-off simplificado

Imaginieer: a primeira revolução 3D da indústrias dos brinquedos