Investidores atentos aos ativos imobiliários do Grupo Espírito Santo

Os investidores institucionais já estão a olhar para os activos do Grupo Espírito Santo (GES) e do Banco Espírito Santo (BES) que vão ter de ser vendidos na sequência da crise que afetou a empresa.

É o caso dos hotéis Tivoli, que até já tiveram manifestações públicas de interesse, ou ainda dos edifícios de escritórios e de habitação de luxo da Espírito Santo Property, alguns concluídos e outros ainda em obra, como uma reabilitação de dois prédios em plena Avenida da Liberdade.

De acordo com o diretor-geral da consultora Cushman & Wakefield, Eric Van Leuven, a entrada destes ativos no mercado foi uma das consequências positivas da crise no grupo.

“Ainda estamos no início do desmoronar da situação no BES, mas uma coisa é certa, colocou mais activos no mercado e isso é bom para os investidores”, disse esta manhã na apresentação do balanço do mercado no primeiro semestre.

Aliás, esta terá sido, para já, a principal consequência da crise no GES/BES no sector imobiliário que, segundo a responsável de estudos de mercado da Cushman, “terá sido bem ultrapassada”.

Mas este é o sentimento no imobiliário comercial. No residencial há percepções diferentes e há mesmo alguns agentes do mercado que consideram que a crise no sistema financeiro está a fectar a confiança dos compradores.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
7. Aeroporto de Londres Heathrow

Oficial. Portugal fora do corredor turístico do Reino Unido

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Decisão do Reino Unido é “absurda”, “errada” e “desapontante”, diz Santos Silva

O primeiro ministro, António Costa.     MANUEL DE ALMEIDA / POOL/LUSA

António Costa admite despedimentos na TAP com menos rotas e aviões

Investidores atentos aos ativos imobiliários do Grupo Espírito Santo