José Avillez: “Os últimos três anos foram uma loucura”

Em três anos abriu seis restaurantes, passou de doze para 160 funcionários e conquistou duas estrelas Michelin. O chef de 34 anos confessou ao Dinheiro Vivo que os últimos três anos foram "uma loucura" mas que está muito feliz por a qualidade do seu trabalho ter sido reconhecida. Agora, resta estar à altura da responsabilidade.

“Estamos muito contentes e agradecidos não só por vermos o nosso trabalho reconhecido, mas também por ser uma importante conquista para a cidade de Lisboa” diz José Avillez, devido ao facto de ser a primeira vez que um restaurante da cidade de Lisboa recebe a segunda estrela Michelin.

É também a primeira vez que um restaurante português com chef português conquista a segunda estrela do guia gastronómico mais reconhecido do mundo e o segredo, segundo Avillez, foi a “consistência” do serviço de qualidade. E esta consistência só foi possível com uma equipa que o acompanhou desde o início, quando o Chef estava à frente do restaurante Tavares: “o Belcanto é a concretização de um sonho e é o resultado do empenho e da dedicação diária de uma grande equipa”, acrescenta.

Apesar da condecoração não existem planos de reforma para o Belcanto. Já estão perto da sua capacidade máxima, servindo entre 60 a 70 almoços por dia, mas José Avillez estima que possam crescer ainda em 20%. Vão mudando frequentemente de menus, introduzindo pratos originais, mas “a evolução vai continuar a ser natural” garante o Chef, negando a possibilidade de subir os preços da ementa.

Relativamente ao futuro, José admite que não sabe o que vai acontecer. “Com certeza não vamos abrir mais seis restaurantes” revela, entre risos, tendo em conta o crescimento exponencial que teve desde que se posicionou à frente do restaurante no Chiado em 2011. Já existiram propostas para investimentos no estrangeiro, revela Mónica Bessone, assessora de Avillez, mas para já não existem planos concretos: “nós crescemos muito, muito rápido, por isso agora estamos numa fase de consolidação”.

O Chef que, para além de trabalhar 16 horas por dia dividindo-se entre a cozinha e a gestão dos restaurantes também escreve livros, apresenta programas de culinária vai ter em breve uma rubrica na rádio. O que o move, explica Mónica, é uma verdadeira paixão por receber e estar em contacto com as pessoas”. “A sua carreira começou com serviço de catering e ensino em workshops por isso a área editorial é sem dúvida um dos setores onde vão surgir novos projetos”, explica.

Em Setembro deste ano o “império Avillez” estendeu-se ao Norte, onde foram “muito bem recebidos”, garante Mónica. O Cantinho do Avillez no Porto foi uma aposta em cheio e o balanço “é sem dúvida extraordinário”. A equipa, de confiança, já trabalhava com o Chef em Lisboa, tanto os responsáveis pelo espaço, como pela gerência e pela cozinha.

O restaurante Belcanto, de cozinha portuguesa, abriu em 1958 no Chiado, junto ao Teatro Nacional de S. Carlos. A primeira estrela Michelin foi recebida em Novembro de 2012, depois do Chef Avillez ter assumido o controlo em 2011.

Atualmente José Avillez tem cinco restaurantes em Lisboa e um no Porto: o Belcanto, o Cantinho do Avillez (em Lisboa e no Porto), o Mini Bar, o Café Lisboa e a Pizzaria Lisboa.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Lear Corporation

Há mais de 800 mil portugueses a trabalhar por turnos

Alexandra Leitão, ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública. (António Pedro Santos / Lusa)

Governo vai reservar verba para financiar pré-reformas no Estado

Rui

“Se Rui Rio ganhar as eleições do PSD este Governo dura quatro anos”

Outros conteúdos GMG
José Avillez: “Os últimos três anos foram uma loucura”