Número de insolvências cai 15,6% até outubro

As empresas nacionais estão mais confiantes e resistentes. Prova disso é a contínua queda das insolvências que, até outubro, recuaram 15,6% face a igual período do ano passado.

Os números hoje divulgados hoje pela IGNIOS, mostram que entre janeiro e outubro deste ano, fecharam 5698 empresas. O número ainda é muito elevado, mas está já 15,6% abaixo do registado nos mesmos dez meses de 2013 – 6748.

Em outubro, esta tendência de queda foi ainda mais significativa, com o número de insolvências a recuar 29,3%, para 579 encerramentos por falência.

A IGNIOS ressalva, no entanto, que “devido às condicionantes processuais no Ministério da Justiça, nomeadamente a instabilidade da sua plataforma Citius no final de agosto e grande parte do mês de setembro provavelmente não refletem a realidade a nível de insolvências”.

Ao mesmo tempo, o número novas empresas continua a crescer. Até outubro, a IGNIOS registou 29.705 constituições de negócios, o que dá uma média de 97,7 empresas criadas a cada dia destes dez meses.

Estão assim a nascer 5,2 empresas por cada uma que fecha, não sendo, no entanto, especificado o número de novas empresas criadas em substituição de anteriores em falência.

Os dados mostram que no bolo de empresas criadas, outubro foi um mês recorde e fundamental para a constituição de novos negócios. Nasceram 3158 novas empresas, o que deu um importante contributo para aproximar o volume de empresas criadas este ano ao do mesmo período do ano passado – está apenas 1,3% abaixo neste momento.

Construção domina falências; serviços motivam constituições

Em termos de setores de atividade, a Construção e Obras Públicas é ainda a área que apresenta maior número de insolvências, representando 19% do acumulado do ano. Logo atrás vêm as empresas de “Outros Serviços (18.2%), do Comércio da Retalho (16,3%) e do Comércio a Grosso (12,1%).

As indústrias relacionadas com a Moda voltaram a reduzir o seu peso no bolo das falências, representado apenas 5,2% do total das insolvências em 2014 (6,3% em 2013). A motivar a inversão está o boost nas exportações que aceleraram em 2014.

Pelo contrário, na constituição de empresas, os “Serviços” continuam a dominar, concentrando 40,7% das empresas criadas entre janeiro e outubro. Destacam-se ainda a Agricultura (de 4,5% para 4,9%), o Comércio Automóvel (de 3% para 3,2%), e a Hotelaria e Restauração (de 10,6% para 11%) entre as atividades que aumentaram o seu peso no total das empresas constituídas.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Alexandre Fonseca, presidente da Altice Portugal (Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Altice sobre compra TVI. “Estado perdeu 200 milhões num ano”

Alexandre Fonseca, presidente da Altice Portugal (Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Altice sobre compra TVI. “Estado perdeu 200 milhões num ano”

Combustíveis

Petróleo sobe em flecha. “Não haverá impacto perturbador nas nossas algibeiras”

Outros conteúdos GMG
Número de insolvências cai 15,6% até outubro