obesidade

Obesidade custa 1,6 biliões de euros por ano à economia mundial

São mais de 2,1 mil milhões as pessoas que, por todo o mundo, têm excesso de peso ou sofrem de obesidade, o equivalente a quase 30% da população mundial. A manter-se o ritmo de crescimento atualmente verificado, quase metade de população adulta será obesa até 2030.

A conclusão é do McKinsey Global Institute, num relatório onde estima que a obesidade, a causa de 5% dos óbitos em todo o mundo, tenha um custo anual de 2 biliões de dólares (quase 1,6 biliões de euros), valor que representa 2,8% do produto interno bruto mundial e que está próximo do impacto que o tabaco ou a violência armada e o terrorismo têm sobre a economia global.

Hoje, a obesidade representa entre 2% e 7% dos custos dos sistemas de saúde dos países desenvolvidos, sem contar com o montante gasto com as doenças associadas à obesidade, que elevariam esta percentagem para 20%, estima o McKinsey. Ao mesmo tempo, refere o instituto, a produtividade dos trabalhadores está a ser afetada pela obesidade, comprometendo a competitividade das empresas.

A solução para este problema à escala mundial está longe de estar sequer definida. “Há uma grande diversidade de projetos de investigação sobre a escala do problema e sobre as intervenções individuais concebidas para solucioná-lo. Mas, até à data, a listagem de possíveis intervenções, e análise da relação custo/eficácia e potencial impacto, é limitada”, nota o relatório.

Assim, tal como a doença assume uma escala global, também a solução deve sê-lo. “A obesidade é um problema crítico global, exigindo uma estratégia de intervenção abrangente, implantada à escala global. Qualquer intervenção isolada deverá ter apenas um pequeno impacto”, diz Richard Dobbs, autor principal do relatório.

As soluções apresentadas pelo McKinsey para solucionar este problema incluem doses mais pequenas de comida, reformulação dos alimentos processados, mudanças nas promoções de comida e bebida, investimento na educação de pais e introdução de refeições saudáveis nas escolas e locais de trabalho.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ministro das Finanças, Mário Centeno, na apresentação do Orçamento do Estado para 2019. 16 de outubro de 2018. REUTERS/Rafael Marchante

Bruxelas envia carta a Centeno a pedir o triplo do esforço orçamental

lisboa-pixabay-335208_960_720-754456de1d29a84aecbd094317d7633af4e579d5

Estrangeiros compraram mais de mil imóveis por mais de meio milhão de euros

João Galamba (secretário de estado da energia) , João Pedro Matos Fernandes (Ministro para transição energética) e António Mexia  (EDP) durante a cerimonia de assinatura de financiamento por parte do Banco Europeu de Investimento (BEI) da Windfloat Atlantic. Um projecto de aproveitamento do movimento eólico no mar ao largo de Viana do Castelo.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Mexia diz que EDP volta a pagar a CESE se governo “cumprir a sua palavra”

Outros conteúdos GMG
Obesidade custa 1,6 biliões de euros por ano à economia mundial