Pela primeira vez em mais de 30 anos não há shoppings em construção

É histórico. O país em que o passeio de domingo é mais no shopping do que no jardim e onde o comércio de rua só há cerca de três anos começou a ganhar força, não tem um único centro comercial em construção atualmente. É a primeira vez em mais de 30 anos, quando se começaram a construir as Amoreiras, o primeiro centro a abrir em 1985.

Aliás, segundo a directora de estudos da consultora Cushman & Wakefield, Marta Esteves Costa, neste momento não há sequer “intenções sérias de desenvolvimento de projetos” e alguns dos centros previstos há dois ou três anos estão parados e sem expectativa de serem relançados. É o caso do Forum Setúbal, um shopping da holandesa Multi Development que foi comprada pela Blackstone e deixou os investimentos em Portugal em stand-by.

Ora, segundo a mesma responsável, se uma obra destas demora dois anos a fazer, significa que em 2015 e 2016 – pelo menos – não vão ser inaugurados quaisquer shoppings novos em Portugal. Aliás, já o ano passado não abriu nenhuma obra nova, apenas a expansão do Fórum Algarve, perto de Faro. E este ano só ficou pronta a remodelação do centro comercial Alvalade, em Lisboa, e ficará concluído, em novembro, o Alegro Setúbal, que é também a expansão do Jumbo de Setúbal.

Há, contudo, uma possibilidade de inversão desta estimativa caso abram dois shoppings que estão praticamente prontos, mas que foram entregues à banca por incumprimento. Um deles é o Évora Shopping, um projeto da Imorendimento que foi parar ao BES e agora ao Novo Banco. O outro é o Dolce Vita Braga, da Chamartín, que iria passar a ser gerido pela Sonae Sierra ainda este ano, mas que até agora continua fechado. Aliás, o centro já esteve para abrir quatro vezes desde 2009 e até agora nada.

Seja como for, já lá vai o tempo em que inauguravam mais de 10 shoppings por ano como aconteceu entre 2007 e 2009, em que abriram 14, 13 e 12 novos projetos respetivamente.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Alberto Souto de Miranda
(Gerardo Santos / Global Imagens)

Governo. “Participar no capital” dos CTT é via “em aberto”

Congresso APDC

“Temos um responsável da regulação que não regula”

Congresso APDC

Governo. Banda larga deve fazer parte do serviço universal

Outros conteúdos GMG
Pela primeira vez em mais de 30 anos não há shoppings em construção