fazedores

Pharmassistant. Está na hora da medicação

Um dia, a avó de Diogo Ortega tomou por engano um medicamento do avô. Não houve consequências, mas Diogo decidiu que tinha de haver uma solução mais eficaz para o problema. A ideia começou assim: no futuro, os telemóveis iriam dizer quais os medicamentos que têm de ser tomados.

Só em Portugal, estima-se que metade da população sofra de uma doença crónica. Três milhões têm duas doenças crónicas e entre 500 mil e 600 mil vivem com cinco ou mais. Com o aumento da esperança média de vida, a tendência será para agravar. São números que podem ser vistos como assustadores ou como uma oportunidade. Diogo Ortega optou pela segunda alternativa e criou a Pharmassistant, uma caixa de medicamentos inteligente que está ligada ao telemóvel e que aciona alarmes quando é relevante.

A ideia, que surgiu em 2013, “foi sempre fazer um produto para o futuro, porque, obviamente, a tecnologia não está ainda disponível para todos, especialmente para a população mais idosa”, conta Diogo, licenciado em gestão. Mas a taxa de penetração de smartphones cresce todos os anos e está a chegar a pessoas a quem não chegava anteriormente, “portanto, até as pessoas mais velhas já têm um, até porque é difícil comprar um telemóvel que não seja um smartphone”.

Depois de ter participado sozinho – e vencido 14 mil euros – no concurso de aplicações Appy Day, do BPI, em 2013, Diogo começou a reunir uma equipa para desenvolver o projeto. A ele juntou-se Sofia Almeida, Luís Castro, Joana Vieira e, mais recentemente, Mário Ribeiro e Francisco Esteves. Depois de terem participado no acelerador da Beta-i, o Lisbon Challenge, passaram de “um powerpoint e umas ideias giras” para um produto sólido, que já convenceu a gigante farmacêutica Bayer, que os convidou a participar no acelerador grants4apps, durante três meses, em Berlim.

A caixa de medicamentos inteligente foi pensada “não como um produto com um manual gigante, em que os utilizadores têm de se adaptar à rotina, mas o contrário, uma solução que se adaptasse ao estilo de vida dos doentes“. Funciona assim: se, por exemplo, estiver a sair de casa sem a caixa de medicamentos, a aplicação alerta a tempo de ir buscá-la. Se for um medicamento que só toma à noite, a aplicação só alerta quando voltar a casa, à hora que definir. “Sabemos quando estás próximo da caixa, porque fizemos uma conectividade bluetooth entre a caixa e o smartphone e é nessa altura que vamos dar alertas, não quando estiveres a conduzir ou a beber copos no Bairro Alto”, explica Diogo.

Depois de dois programas de aceleração, mais de 60 entrevistas a possíveis clientes e 50 mil euros investidos pela Bayer, a Pharmassistant já conta com um grupo de protótipos, feitos em conjunto com uma empresa portuguesa, e, a partir de agora, vai ser sempre a crescer. O objetivo é criar um produto mainstream, que não tenha qualquer custo para o utilizador. “Estamos a identificar stakeholders que tenham interesse neste produto, como as farmacêuticas, que querem que as pessoas tomem o medicamento a horas, também para provar que o medicamento é eficiente, ou mesmo com companhias de seguros, que sabem que se alguém não tomar um remédio para a hipertensão que custa 10 euros, se calhar vai parar ao hospital, o que tem custos muito maiores”.

Para já, conseguiram uma parceria com a equipa de Product Supply Innovation da Bayer para o desenvolvimento de um teste piloto.

E já estão a criar emprego. Há pouco tempo, montaram um escritório em Lisboa, no espaço da Startup Lsiboa, para a parte de produto e desenvolvimento de software, e, em breve, esperam recrutar pessoas para as áreas de marketing e business development.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
5G_2

5G: Anacom arranca já com consulta. Leilão será em abril

5G_2

5G: Anacom arranca já com consulta. Leilão será em abril

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, conversa com o primeiro-ministro indigitado, António Costa, durante uma audiência para apresentação da lista de nomes propostos para secretários de Estado do XXII Governo Constitucional, no Palácio de Belém, em Lisboa, 21 de outubro de 2019. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Primeira reunião do novo governo marcada para sábado a seguir à tomada de posse

Outros conteúdos GMG
Pharmassistant. Está na hora da medicação