pobres

Portugueses mais ricos ganham dez vezes mais que os mais pobres

Portugal tornou-se nos últimos anos um país mais desigual em termos de distribuição de rendimentos e isso danifica seriamente o crescimento da economia, assinala a OCDE, num conjunto de estudos hoje divulgado. Por exemplo, o rendimento dos 10% mais ricos é hoje dez vezes superior ao dos 10% mais pobres.

O problema é grave, mas não é exclusivo de Portugal. Ele alastra-se à maioria dos países desenvolvidos.

Há um “aumento de longo prazo na desigualdade de rendimentos na área da OCDE [os 34 países mais ricos]” e assiste-se a um “crescimento nas disparidades” seja antes ou depois da Grande Recessão de (2008 a 2009), refere a organização no estudo “Tendências na desigualdade de rendimentos e o seu impacto no crescimento económico”.

Apesar da notável subida dos rendimentos das pessoas e na riqueza das nações nas décadas que precederam a Grande Recessão, a verdade é que os indicadores da desigualdade eram mais favoráveis nos anos 80.

No caso de Portugal, Espanha e Polónia, o início dos anos 2000 até culminou numa melhoria nesses índices, “mas essa tendência parou em todos esses países desde o final da década de 2000”.

Problema: quanto maior a desigualdade, mais difícil é crescer. “Os novos estudos da OCDE mostram que quando a desigualdade aumenta, o crescimento cai. Uma das razões é que os elementos mais pobres da sociedade ficam menos capazes de investir na sua educação”, “reduzindo a sua mobilidade social e o desenvolvimento de competências”. Resultado: quem menos tem fica condenado a ter menos ainda.

A OCDE avisa ainda que o fosso que separa os 10% mais ricos dos 10% mais pobres é importante, mas que as políticas devem ser desenhadas tendo em conta os 40% mais pobres, onde está a esmagadora maioria da população. É a classe média baixa.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Céu cinzento de Londres. Fotografia: D.R.

Portugal fora do corredor turístico britânico. Madeira e Açores entram

O ministro de Estado e das Finanças, João Leão, acompanhado pelo ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos (Foto: Mário Cruz/Lusa)

Recuperar poder de decisão na TAP obriga Estado a pagar mais

O presidente do conselho de administração da TAP, Miguel Frasquilho. (Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Frasquilho: Reestruturação da TAP “não vai ser isento de dor”

Portugueses mais ricos ganham dez vezes mais que os mais pobres