Brent

Preço do petróleo em mínimos dos últimos quatro anos

O preço do petróleo nos mercados internacionais caiu na última semana para mínimos históricos, com o barril de Brent, que serve de referência para a Europa, a cotar na sexta-feira abaixo dos 90 dólares (89,9)durante a sessão, o valor mais baixo em quase quatro anos, enquanto nos Estados Unidos o barril de crude descia abaixo dos 84 dólares (83,59), o menor valor desde julho de 2012.

As cotações do petróleo estão baixas há meses, devido ao excesso de produção face às perspetivas pouco animadoras da procura mundial. O preço do Brent já caiu desde junho quase 25%. Nos últimos dias sofreu mais um forte abanão com as fracas previsões de crescimento da zona euro – revistas em baixa pelo FMI para 0,8% este ano e 1,3% no próximo – e os receios de abrandamento do seu carro-chefe, a Alemanha, onde quatro institutos reviram também em baixa as previsões macroeconómicas, apontando agora para crescimentos de apenas 1,3% em 2014 e 1,2% em 2015, menos seis e oito décimas, respetivamente, do que o estimado em abril.

Segundo a diretora-geral do FMI, Christine Lagarde, a zona euro enfrenta “sérios riscos” de uma nova recessão, se nada for feito para contrariar o débil crescimento na região. Às preocupações com o fraco crescimento na Europa, juntam-se as incertezas no Brasil e o abrandamento da economia na China.

Em paralelo, verifica-se o aumento da produção de petróleo na América do Norte, o regresso da Líbia a este mercado e até a Arábia Saudita, o maior exportador de petróleo do mundo, revelou ter elevado a produção no mês passado em 100 mil barris por dia.

O facto de a Arábia Saudita ter baixado recentemente os preços para os seus clientes asiáticos – o que foi interpretado como estar mais interessada em proteger as suas quotas de mercado do que com o nível dos preços – aumentou as especulações sobre uma guerra de preços na Organização dos Países Exportadores de petróleo (OPEP) e se os seus membros estarão interessados em conter os preços, que deverão continuar a cair até que a organização decida que é suficiente.

A Venezuela já anunciou na sexta-feira que vai pedir uma reunião extraordinária da OPEP, no encontro marcado para 27 de novembro na sua sede em Viena (Áustria), para tentar pôr fim à queda das cotações. “Temos que coordenar uma ação para travar a queda dos preços do petróleo”, disse o seu ministro dos Negócios Estrangeiros, acrescentando estar convencido de que o problema não é o normal funcionamento do mercado, mas “manipulações dos preços para criar problemas económicos às grandes empresas produtoras”. Rafael Ramirez acredita que a atual baixa de preços do petróleo se deve a uma “superprodução” dos países que não fazem parte da OPEP, como os Estados Unidos.

Mas a produção também tem aumentado nos países da OPEP, como o Iraque e a Líbia, apesar da violência e da instabilidade que se vive em ambos. E até agora a organização, que é responsável por cerca de um terço da produção mundial de petróleo bruto, ainda não mostrou vontade de reduzir a sua oferta. Apesar de atribuir a queda dos preços a uma “procura fraca”, a par de “uma oferta abundante”. Em setembro, a produção da OPEP subiu para 30,47 milhões de barris por dia, 400 mil barris acima dos 30 milhões diários que tinha mantido desde o final de 2011.

A queda dos preços do petróleo pode parecer uma boa notícia para as famílias e a indústria, mas penaliza os investimentos no sector.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
16. Empregados de mesa

Oferta de emprego em alta no verão segura aumento de salários

Alexandre Fonseca, CEO da Altice Portugal

Trabalhadores rejeitam transferência para nova empresa da Altice

Lisboa, 12/06/2019 - Mariana Vieira da Silva, ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, fotografada esta tarde nos estúdios da TSF, durante uma entrevista 'A Vida do Dinheiro'  TSF/Dinheiro Vivo.
( Gustavo Bom / Global Imagens )

Mariana Vieira da Silva: Repetir a geringonça “é possível e desejável”

Outros conteúdos GMG
Preço do petróleo em mínimos dos últimos quatro anos