Redução do IMI para famílias com filhos divide autarcas

proposta dos grupos parlamentares do PSD e do CDS-PP para que os municípios possam atribuir às famílias com filhos uma redução no valor do IMI não está a ser bem recebida por alguns autarcas.

Não põem em causa o objetivo, mas veem-na como uma ingerência e uma forma de o governo lançar medidas de incentivo à natalidade à custa das receitas dos outros.

“Concordo com a medida, mas o Estado não devia meter-se na gestão das receitas municipais”, afirma Bragança Fernandes, presidente da Câmara da Maia, eleito com os votos do PSD e do CDS-PP. Este “reparo” ao impacto a nível local de uma solução decidida a nível central foi comum a quase todos os autarcas contactados pelo DN/Dinheiro Vivo. Em causa está uma proposta de alteração ao Orçamento do Estado apresentada pelo PSD e CDS-PP que prevê a possibilidade de, a cada ano, as autarquias atribuírem um desconto no IMI às famílias com dependentes.

Sugere-se que a redução do imposto seja de 10% para as famílias com um dependente; de 15% se existirem dois e de 20% para os agregados com três ou mais filhos. A aplicação prática desta medida faria que uma família com um IMI anual de 485 euros pudesse ver a conta cair para 436,5 euros se tiver um filho ou para 388 euros se tiver três dependentes.

O objetivo é trazer para a esfera do IMI uma discriminação positiva na linha do que está a ser proposto para a reforma do IRS através do novo quociente familiar, em que cada dependente (e também os ascendentes a cargo com rendimentos muito baixos) é tido em conta na aplicação da taxa do imposto que incide sobre os rendimentos.

O DN/Dinheiro Vivo tentou ouvir a Câmara de Lisboa, mas não obteve resposta em tempo útil.

Carlos Carreiras, presidente da Câmara de Cascais, vê apenas benefícios, por permitir uma discriminação positiva das famílias com filhos e está disposto a aplicá-la no seu concelho. Apenas considera que a redução devia ser mais abrangente e contemplar os ascendentes. Em Portimão, Isilda Gomes (PS) também não entende por que motivo hão de os avós ficar de fora e alonga-se nas críticas: “Concordo com todas as discriminações positivas, o problema é que esta sai das receitas das autarquias.”

De Oeiras, Paulo Vistas sublinha que as medidas de apoio à natalidade devem ter em conta o rendimento das famílias e lamenta que “políticas da administração central sejam desenhadas à custa das receitas dos municípios”.

Em Loures e Peniche (CDU), Bernardino Soares e António José Correia juntam-se aos críticos e nem o facto de a decisão de reduzir o IMI caber às autarquias lhes suaviza o tom. “Assim, atira-se o ónus às autarquias”, refere Bernardino Soares, enquanto o autarca de Peniche fala em “hipocrisia”.

Ciente da importância das medidas que promovam a natalidade, João Paulo Catarino, autarca socialista à frente da Câmara de Proença-a-Nova, discorda da proposta. “Acho muito bem que o governo queira promover a natalidade e ajudar as famílias com filhos, mas não o deve fazer à custa dos municípios”, precisa, acentuando que no seu já se ajudam “todas as famílias”, taxando o IMI pelo valor mínimo.

A Associação Nacional dos Municípios Portugueses não faz para já comentários, remetendo uma tomada de posição para o final da assembleia geral que está marcada para dia 24 e onde serão analisadas várias matérias, nomeadamente as propostas de alteração ao Orçamento do Estado.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Redução do IMI para famílias com filhos divide autarcas