Silva Lopes: Costa terá de combinar redução do défice com crescimento económico

Depois de ter vencido as eleições primárias do PS, e enquanto candidato a primeiro-ministro, a estratégia de António Costa terá de passar por um esforço de redução do desequilíbrio orçamental e externo, combinado com algum crescimento económico.

A ideia é defendida pelo economista e antigo ministro das Finanças José Silva Lopes, que sublinha que António Costa “já tem provas dadas como presidente da Câmara de Lisboa” e acredita que o agora líder do PS possa vir a ser uma boa alternativa a Passos Coelho.

Leia também: João Duque: “Não sei como é que Costa vai resolver a quadratura do círculo”

Silva Lopes reconhece que, no próximo ano, governar Portugal “vai ser muito complicado”. Mas há algumas coisas que podem ser feitas de forma diferente.

“Não compreendo que este Governo esteja a cortar nos apoios sociais, conseguindo com isso uma poupança tão pequena, e alivie, por outro lado, a carga fiscal das grandes empresas”, disse ao Dinheiro Vivo o economista. António Costa, acredita, poderá vir a mudar esse aspeto.

Ainda assim, há coisas que serão para manter. Silva Lopes lembra que o próprio António Costa já tem admitido que, em relação a áreas como disciplina orçamental, as medidas de Passos Coelho são “impopulares mas corajosas”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Céu cinzento de Londres. Fotografia: D.R.

Portugal fora do corredor turístico britânico. Madeira e Açores entram

O ministro de Estado e das Finanças, João Leão, acompanhado pelo ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos (Foto: Mário Cruz/Lusa)

Recuperar poder de decisão na TAP obriga Estado a pagar mais

O presidente do conselho de administração da TAP, Miguel Frasquilho. (Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Frasquilho: Reestruturação da TAP “não vai ser isento de dor”

Silva Lopes: Costa terá de combinar redução do défice com crescimento económico