Tecnologia

Tecnologia portuguesa está em Barcelona

Ninguém fecha contratos em Barcelona. Mas muitos negócios podem começar aqui, entre um café e um pastel de nata, com apertos de mão e trocas de cartões. Os portugueses das seis empresas nacionais que estão presentes no Mobile World Congress vêm à procura disso mesmo: contactos, exposição e potenciais clientes.

Mas não só. “Já tínhamos muitas reuniões confirmadas, os primeiros três dias são muito fortes. A agenda está toda preenchida”, diz Paulo Glórias, diretor de desenvolvimento de negócio da portuguesa Wit Software. A especialista em ‘rich communications’ repete a presença em Barcelona há vários anos e considera que é um investimento importante.

“Com a nossa presença damos sinal de solidez, temos dinheiro para cá estar”, graceja o responsável. Uma das vantagens é encontrar parceiros e clientes de uma assentada. “Poupamos muitas viagens com isto”, informa.

A explicação repete-se noutro stand, com a NDrive, que está em Barcelona a apresentar o novo produto NLife. “Aproveitamos para agendar reuniões. E por exemplo, o parceiro de Israel traz um amigo, que por acaso é dono de uma operadora no médio Oriente. É muito networking”, conta Luís Soeiro, bastante satisfeito com o feedback que a empresa está a recolher na feira.

A NDrive divide este ano o espaço com a NMusic, numa localização bastante apelativa. Luís Soeiro reconhece que é um investimento avultado, mas sublinha que “há marcas que deixaram de vir, porque não se faz negócio e acharam que não valia a pena, e as pessoas pensam que elas desapareceram do mercado.”

Aparecer e ser visto é extremamente importante, como atesta Alcino Lavrdor, CEO da Open Idea (PT Inovação). “Estamos para fazer contactos, mostrarmos que podem contar connosco”, revela. “É bom porque percebemos quais são as dúvidas de quem procura estas soluções.” A Open Idea está a mostrar um contador de água inteligente para clientes empresariais e descobriu que, no stand ao lado, está uma empresa a fornecer um produto complementar. “Entre os expositores há troca de conhecimentos. É um balanço muito positivo.”

Outra das empresas presentes é a WeDo Technologies, que aproveitou para lançar a versão 7.0 do seu produto estrela (RAID). As estreantes são a Muzzley e a Aptoide, a primeira com os seus produtos de interação entre dispositivos e a segunda com um marketplace para aplicações Android. Ambas partilham o stand e estão bem localizadas, o que é fundamental para atrair a atenção de quem passa.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
: PÁGINAS : LIXO 08-09 NEGÓCIOS Eólicas + Opinião

Eólica vs. solar. Que energia dominará a Europa em 2030?

Turistas no Miradouro São Pedro de Alcântara, em Lisboa.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Ourém recua, Guimarães pondera. São já 8 os municípios que cobram taxa turística

Algarve, Portugal. Fotografia: D.R.

Algarve confiante numa estabilização do mercado britânico

Outros conteúdos GMG
Tecnologia portuguesa está em Barcelona