Vítor Bento. “Não tinha interesse nenhum em meter-me nesta aventura”

"Não tinha interesse nenhum em meter-me nesta aventura."A afirmação é de Vítor Bento, em entrevista à SIC, em agosto, a única dada depois de ter assumido a presidência do Novo Banco.

Cerca de dois meses depois, está de saída: “As circunstâncias alteraram profundamente a natureza do desafio com base no qual aceitáramos esta missão em meados de julho”.

A começar pelas condições em que foi encontrar no BES depois de ter aceite o convite “completamente inesperado” de Ricardo Salgado: um prejuízo de 3,6 mil milhões que determinou a criação do Novo Banco. “Se lhe vou fazer o resumo dos meus estados de alma nestas semanas, provavelmente não vão precisar de ver uma novela a seguir”, admitiu.

Tornar o Novo Banco rentável era o objetivo. No prazo de “um a três meses” queria apresentar um plano de reestruturação do banco. “Vai ter de haver um redimensionamento do banco”, admitia. E era “provável” que esse plano passasse pela redução de pessoas e de balcões, reconheceu sem avançar números. Mas também pela venda de ativos – quais não disse, embora, entretanto tenha sido decidida a venda da Tranquilidade – “sem pôr em causa a capacidade importante que possam ter para a geração de rendimento do banco”, defendia. “O banco tem de ser projetado num horizonte de muito longo prazo”, afirmou.

Para Vítor Bento havia que valorizar o banco para vendê-lo a bom preço. “Esse é o desígnio que eu tenho”, disse e, para isso, contava com os dois anos de prazo do financiamento. “Tenho um determinado capital que foi colocado no banco [4,9 mil milhões de euros]. Tenho de fazer todo o esforço que esteja ao meu alcance – milagres não faço – e assegurar que esse capital é totalmente reembolsado”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Franceses da Altice concluíram aquisição da PT Portugal à Oi em junho por 5,7 mil milhões de euros

Porto. Trabalhadores da PT avançam com concentração esta quinta-feira

Estado leva endividamento da economia para novo máximo

Portugueses têm menos dinheiro

Proibidos pagamentos em dinheiro acima de 3.000 euros

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Vítor Bento. “Não tinha interesse nenhum em meter-me nesta aventura”