Investimentos

Fundos Corum investem 132,7 milhões de euros no segundo trimestre

Frederic Puzin, Presidente da Corum Investments, uma sociedade especializada na gestão de  Fundos de Investimento Imobiliário.
(Reinaldo Rodrigues/global Imagens)
Frederic Puzin, Presidente da Corum Investments, uma sociedade especializada na gestão de Fundos de Investimento Imobiliário. (Reinaldo Rodrigues/global Imagens)

A Corum, sociedade francesa que gere mais de 4 mil milhões de euros em soluções de poupança, adquiriu 8 edifícios, entre abril e junho, através dos seus fundos Corum Origin e Corum XL. Esse investimento representa cerca de 132,7 milhões de euros e tal foi feito nos Países Baixos, Polónia, Itália, Noruega e Reino Unido.

José Gavino, diretor da Corum em Portugal, revela que “estas aquisições inserem-se nos planos de longo prazo dos nossos fundos. A pandemia da covid-19 veio reforçar a nossa estratégia de investir na economia real. Estamos convencidos de que o valor dos nossos imóveis está na qualidade do arrendatário e na sua capacidade de pagar renda a longo prazo. Os novos edifícios apresentam rentabilidades iniciais interessantes que chegam aos 8,48% têm arrendatários de sectores como as telecomunicações, transporte internacional de mercadorias, bricolage ou carros elétricos. São sectores que mostraram grande resiliência e até crescimento durante o período de confinamento na Europa”.

Este processo faz parte do plano da Corum que permite estabelecer uma equivalência nos valores pagos durante a pandemia e antes da crise sanitária.

O diretor da Corum em Portugal espera que “o período de confinamento tenha ficado para trás, ainda que as consequências económicas e sociais se continuem a sentir neste e no próximo ano. A prática forçada do teletrabalho, a agitação no turismo e os novos modos de consumo induzem potenciais transformações do mercado imobiliário. Estamos muito atentos a esta nova realidade. Vamos continuar a pensar, e a agir, tendo em vista o longo prazo. Não temos quaisquer dúvidas de que, tal como sempre acontece em períodos de crise, vão continuar a surgir oportunidades de compra. Mas, queremos tirar partido dos mercados imobiliários, em vez de nos submetermos a eles.”

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: Arquivo/ Global Imagens

Transações de casas caíram 35,25% em abril. Preços começam a abrandar

(João Silva/ Global Imagens)

Estrangeiros compraram menos casas em Portugal em 2019. Preço por imóvel subiu

(JOSÉ COELHO/LUSA)

Cadeias de retalho contra desfasamento de horários. Aguardam publicação da lei

Fundos Corum investem 132,7 milhões de euros no segundo trimestre