luxo

Nicolas Cage gastou fortuna em túmulos, castelos e uma ilha. E não se arrepende

DR
DR

Ator com compulsão por gastar diz não se arrepender das compras. A lista inclui um crânio de dinossauro, cabeças de pigmeu e dois castelos na Europa

O ator Nicolas Cage já foi uma das figuras mais bem pagas de Hollywood, no entanto, não conseguiu manter a fortuna por muito tempo. Mas o que o impediu? O intérprete do Ghost Rider tem o hábito de realizar compras caras e muitas vezes excêntricas.

A certa altura, Cage chegou a possuir 15 residências no mundo inteiro. Incluindo casas (no plural) na Califórnia e Las Vegas e uma ilha deserta nas Bahamas. O ator também adquiriu uma série de itens bizarros: um túmulo de nove metros de altura, um polvo, cabeças encolhidas de pigmeus, uma revista de história em quadrinhos do Super-Homem no valor de 150 mil dólares e um crânio de dinossauro com 70 milhões de anos, que mais tarde teve que devolver ao governo da Mongólia.

Mas o que verdadeiramente colocou o ator no ‘vermelho’ financeiramente não foram os produtos exóticos, mas sim o seu portfólio de imóveis. Cage comprou dois castelos na Europa que custaram 10 milhões e 2,3 milhões de dólares, respetivamente, e uma propriedade rural de 15,7 milhões de dólares em Newport, Rhode Island.

Apesar da sua ruína financeira atual, não se arrepende das suas aquisições. “Há bons investimentos e investimentos maus”, relata. “Os bons investimentos vieram do interesse pessoal e do meu honesto entusiasmo pela história.”

Para Cage, parte do apelo dos imóveis tem origem na sua infância humilde. Mesmo jovem, o ator sempre quis ter mais. “O meu tio [Francis Ford Coppola] foi muito generoso. Visitava-o durante os verões. Naqueles verões, eu queria ser como ele”, explica. “Eu queria ter as mansões e poder comprar o que quisesse”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Mário Centeno ladeado pelos representantes dos dois maiores credores de Portugal: Pierre Moscovici (Comissão) e Klaus Regling (ESM). Fotografia: EPA/JULIEN WARNAND

Centeno usa verbas da almofada de segurança para pagar aos credores europeus

Paulo Fernandes lidera o grupo Cofina. (Carlos Manuel Martins/Global Imagens)

Foto: Arquivo

Cofina quer TVI sem remédios

Paulo Fernandes lidera o grupo Cofina. (Carlos Manuel Martins/Global Imagens)

Foto: Arquivo

Cofina quer TVI sem remédios

Outros conteúdos GMG
Nicolas Cage gastou fortuna em túmulos, castelos e uma ilha. E não se arrepende