smartphones

Após adiar lançamento, Samsung poderá vir a recolher amostras do Fold

Samsung Galaxy Fold

Após ter anunciado que ia adiar o lançamento do Galaxy Fold, a Samsung poderá vir a recolher estes smartphones, avança a Reuters.

Na semana passada, um conjunto de jornalistas e youtubers norte-americanos receberam unidades de teste do Galaxy Fold, o primeiro smartphone dobrável da marca. Pouco tempo depois, surgiram relatos de problemas com o ecrã do smartphone – em alguns casos, em menos de um dia de uso.

Leia também | Samsung responde a problemas com o dobrável Fold

Estes incidentes levaram a marca sul-coreana a adiar o lançamento do Fold em vários mercados: primeiro na China, mais tarde em Espanha e, horas depois, nos Estados Unidos. O lançamento oficial estava marcado para esta semana.

Esta segunda-feira, a Samsung emitiu um comunicado, onde referia que tinha decidido “adiar o lançamento do Galaxy Fold”, para “avaliar estas reações e com objetivo de realizar mais testes ao equipamento”. A mesma declaração referia ainda que ao longo das próximas semanas, a empresa anunciaria uma nova data de lançamento para o equipamento.

Agora, a Reuters avança que a marca sul-coreana estará prestes a recolher as unidades de teste, entregues à comunicação social e youtubers da área de tecnologia. Um empregado da Samsung, citado pela mesma fonte, refere que assim “há a oportunidade de abordar esta questão e corrigi-la antes de vender o smartphone a uma audiência massiva”.

Leia também | Galaxy Buds, a aposta da Samsung para rivalizar com os AirPods

Nos Estados Unidos, as pré-vendas já tinham arrancado. À luz dos acontecimentos, os clientes que já fizeram a reserva do equipamento receberam um email a indicar que será enviada mais informação sobre o assunto no “espaço de duas semanas”.

O Galaxy Fold foi anunciado a 20 de fevereiro, na altura do lançamento dos modelos da linha S10. O equipamento tinha uma lista restrita de mercados onde estaria disponível, incluindo o Reino Unido, Alemanha, Espanha, Suécia, Noruega, Finlândia, Dinamarca, Bélgica, Holanda, Áustria, Suíça e Roménia.

Leia mais sobre tecnologia em Insider.dn.pt

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Após adiar lançamento, Samsung poderá vir a recolher amostras do Fold