Tecnologia

Apple processada por mentir sobre ecrã dos iPhone

iphone-7-960x540_c

A Apple está a ser acusada de ter usado marketing fraudulento na promoção dos seus mais recentes modelos de smartphone: iPhone X, iPhone Xs e iPhone Xs Max.

Os queixosos alegam que o tamanho do ecrã dos equipamentos é menor do que aquele anunciado e que a resolução dos equipamentos também é inferior à promovida pela marca da maçã. O processo deu entrada esta sexta-feira num tribunal na Califórnia do Norte, nos EUA, revela a publicação Apple Insider. A Apple ainda não reagiu ao caso.

A acusação diz que o ecrã do iPhone X tem na realidade 5,68 polegadas, quando a Apple promove o equipamento como tendo um painel de 5,8 polegadas. O mesmo equipamento é promovido como tendo uma resolução de 2.436×1.125 píxeis, mas os queixosos dizem que isto é mentira pois terão encontrado provas de que existem apenas dois subpíxeis por cada píxel principal do equipamento, quando a Apple diz que são três.

Leia também | 11 truques do iPhone de que provavelmente não está a tirar proveito

No processo fala-se ainda em marketing fraudulento, com a Apple a promover um smartphone que tem um ecrã ‘de ponta a ponta’, e com os queixosos a dizerem que esta afirmação é falsa por causa do recorte que existe na parte superior do smartphone [o chamado notch] e também por o ecrã não chegar aos cantos do equipamento.

A Apple também é acusada de usar imagens de fundo nos smartphones para ‘esconder’ o real tamanho dos ecrãs. O wallpaper escolhido pela Apple em muitos anúncios tem os cantos pretos, o que ajuda a passar a sensação de que o ecrã ocupa de facto a totalidade da parte frontal do equipamento, quando isso não acontece.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral de Dep—ositos -

Sete dos créditos de risco da CGD tiveram perdas de 100%

Operadores da Groundforce onde a operação da empresa de ‘handling’ Groundforce inclui números como cinco minutos e 400 toneladas, mas também o objetivo de chegar ao fim de 2019 com 3.600 colaboradores, aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, 22 de janeiro de 2018. Para que os aviões estejam no ar, a Groundforce faz toda a assistência em terra, excetuando o fornecimento de comida e de combustível, como resume o presidente executivo da empresa, Paulo Neto Leite, numa visita guiada aos ‘bastidores’ do Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa. MÁRIO CRUZ/LUSA

Com o aeroporto de Lisboa “no limite”, Groundforce exige à ANA que invista já

(Rui Oliveira / Global Imagens)

Quota de mercado dos carros a gasóleo cai para mínimos de 2003

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Apple processada por mentir sobre ecrã dos iPhone