Cães não recebem ordens de robôs, dizem os cientistas

Achava que uma visão do lar do futuro poderia ser composta por robôs e animais de estimação a conviver em harmonia? Um novo estudo da Universidade de Yale, EUA, mostra que isso pode não vir a acontecer... pelo menos com os cães.

O estudo foi desenvolvido por três investigadores da Universidade de Yale, com vinte cães à mistura e um robô chamado Nao, fabricado pela Aldebaran Robotics, que está sob a alçada da Softbank. O objetivo deste estudo? Tentar perceber como é que os cães podem interagir com os robôs, nomeadamente quando é preciso receber ordens.

O estudo concluiu que, caso precisem de receber ordens, os cães não encaram os robôs como um agente - ou seja, uma pessoa a quem precisariam de obedecer. Sendo que uma das grandes motivações para eventualmente se ter um robô em casa passa por ter mais uma ajuda a gerir a casa (e também o contacto com os animais), estes resultados não ajudam muito neste contexto.

Leia também | Conheça os robôs que nos apaixonaram e assustaram no cinema

Durante o estudo, os investigadores colocaram à frente de cada cão duas caixas: uma com recompensa e outra vazia. Os cães tinham consciência de que havia uma recompensa dentro de uma das opções - só precisava de descobrir qual. Um gesto do robô poderia ajudar o cão a perceber qual era a caixa que deveriam escolher.

E foi aqui que começou a diferença: quando era um humano a dar a indicação, o animal rapidamente escolhia a caixa correta - os resultados mostram uma média de 6,75 acertos em cada oito tentativas. Quando era o robô a dar a indicação, a média de sucesso baixa para os 3,8 acertos.

Leia também | Este pequeno robô promete nunca deixar o seu animal de estimação aborrecido

Ainda assim, os investigadores referem que nada está perdido - pode apenas trata-se de uma situação em que os comportamentos robóticos ainda não geram uma reação por parte dos animais. Além disso, também não descartam que a metodologia do estudo possa ter tido algum tipo de impacto nos resultados. Os mesmos investigadores explicam que estão a estudar uma nova metodologia para fazer uma nova versão deste teste.

Leia mais sobre tecnologia em Insider.dn.pt

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de