Tecnologia

Carregamento rápido destrói a bateria do telemóvel

bateria smartphone

Apesar de ser uma funcionalidade prática, o carregamento rápido acelera a degradação da bateria do telefone, indica um novo estudo.

Um estudo feito pela Universidade de Purdue, nos Estados Unidos, aponta que há uma relação entre a funcionalidade de carregamento rápido e a degradação das baterias e, consequentemente, do tempo de vida útil do equipamento, indica o El Mundo.

O estudo feito na universidade norte-americana foi liderado por Kejie Zhao, que analisou a nível microscópico a degradação dos componentes das baterias de iões de lítio. Os resultados do estudo apontam que, com a bateria a ser carregada de forma mais rápida, surgem danos aos elétrodos da bateria, o que reduz a capacidade de carga, mais acentuados nos dispositivos com carregamento rápido.

Leia também | Bateria do smartphone viciada? Conheça cinco mitos sobre o tema

É normal haver uma degradação das bateria do telefone, com o tempo útil. O investigador refere que, “a degradação heterogénea da bateria é mais acentuada em elétrodos mais grossos e durante as condições de carga rápida”.

Os investigadores recorreram também a máquinas de raio-X, guiada por inteligência artificial, para perceber onde era possível encontrar as zonas mais danificadas da bateria.

Por enquanto, ainda não existem soluções que possam minimizar os problemas causados pelo carregamento rápido, indicam os investigadores.

Leia mais sobre tecnologia em Insider.dn.pt

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

LUÍS FORRA/LUSA

Dia 7. Patrões e motoristas divididos por 50 euros

Motoristas em greve junto à saída da sede da Companhia Logística de Combustíveis (CLC), em Aveiras de Cima, durante a greve por tempo indeterminado dos motoristas de matérias perigosas e de mercadorias, Azambuja, 16 de agosto de 2019. Portugal está, desde sábado e até às 23:59 de 21 de agosto, em situação de crise energética, decretada pelo Governo devido a esta paralisação, o que permitiu a constituição de uma Rede de Emergência de Postos de Abastecimento (REPA), com 54 postos prioritários e 320 de acesso público. TIAGO PETINGA/LUSA

Greve dos motoristas: atenções voltadas para plenário de trabalhadores

Outros conteúdos GMG
Carregamento rápido destrói a bateria do telemóvel