Como o salto alto conquistou a sua altura (e começa a perder tração)

Até ao século XVII, os sapatos de salto alto eram usados essencialmente pelos homens. Hoje mulheres já compram mais ténis do que sapatos de salto alto

Os sapatos de salto alto foram, originalmente, pensados para os homens e tinham um propósito. Os soldados a cavalo usavam-nos na Pérsia do século X, de acordo com Elizabeth Semmelhack do Bata Shoe Museum, em Toronto (Canadá). O salto ajudava a que se mantivessem estáveis quando se levantavam nos estribos para apontar os arcos e flechas aos seus inimigos.

Com o tempo, os saltos começaram a aparecer nos sapatos dos homens da aristocracia em toda a Europa. Foi só no século XVII que os sapatos de salto alto começaram a ser associados a qualidades supostamente "femininas" e passaram a fazer parte do guarda-roupa das mulheres, conta a 1843, a revista do The Economist.

Até meados do século XX, os saltos altos eram grossos e desajeitados. Depois da Segunda Guerra Mundial, foram aplicadas técnicas e materiais usados na engenharia aeronáutica na construção dos sapatos, nascendo então o stiletto como o conhecemos. O salto fino requer uma haste de metal, forte o suficiente para suportar o peso de que o usa e flexível o suficiente para que o sapato se mova.

Daí partiu uma busca obstinada, tanto por parte de sapateiros como de utilizadores, por um salto alto e confortável. O objetivo seria diminuir o ângulo criado pelo salto.

Joan Oloff, um podologista que se converteu num designer de sapatos, fabrica calçado forrado com espuma de memória para que esta absorva o impacto a cada passo. A sola é desenhada para apoiar o arco do pé e distribuir o peso de forma mais igual.

Antónia Saint Dunbar, empreendedora, faz sapatos com uma proteção no salto que impede que o pé escorregue.

Os pés são únicos e raramente se adaptam perfeitamente aos tamanhos padrão, problema que o ângulo descendente dos saltos aumenta consoante a forma dos sapatos.

Sandra Gault desenvolveu uma aplicação para criar imagens em 3D dos pés, que podem ser usadas para desenhar sapatos à medida.

Para aqueles que procuram opções mais baratos, há alguns truques. Colar o terceiro e o quarto dedos um ao outro com fita adesiva é um deles, indica a publicação. Mas há quem esteja a desistir. Seja pelo conforto ou pelas tendências de moda, em 2016, pela primeira vez, as mulheres britânicas compraram mais ténis do que sapatos de salto alto.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de