media

O que gostam os portugueses? Séries de polícias e ladrões

swat

SWAT foi a série mais vista em novembro. É a segunda mais vista no acumulado do ano.

A CMTV mantém em novembro a liderança dos canais de televisão paga, com um share de 2,7%, sendo visto por uma média de 46 mil telespectadores. É o quarto no ranking dos canais mais vistos liderado pela TVI. A estação de Queluz fechou o mês com um share de 23,7% (+1.1 pp), sendo vista por uma média de 409 mil telepectadores.

A Fox lidera nos canais de séries, com um share de 1,7%, com uma audiência média de 29,8 mil telespectadores, seguido do AXN (1,4% share) e da Fox Life (0,9%), de acordo com a análise de audiências de TV realizada pela UM, agência de meios que integra o grupo IPG Mediabrands.

Mas foi uma série do AXN que liderou o ranking das mais vistas no mês passado: SWAT. A estreia da série a 27 de novembro foi vista por uma média de 106 mil indivíduos, tendo conquistado um share de 1,1%. O canal da Sony Pictures Television Networks Iberia colocou mais três séries no Top 10 das séries mais vistas, com a Fox a colocar cinco séries e a Fox Life a levar a Anatomia de Grey entre os mais vistos.

O desempenho em termos de audiências de SWAT, que conta no elenco com Shemar Moore (ex-Mentes Perigosas), colocou-a no TOP 10 das séries mais vistas de janeiro a novembro, ocupando a segunda posição.

Apenas Prison Break suplanta a estreia de SWAT, com mais uma fuga de Michael Scofield (interpretado por Wentworth Miller) a ganhar a atenção dos portugueses: no acumulado do ano a série regista uma audiência média de 109 mil telespectadores.

“As séries de investigação criminal/ policial continuam a captar o interesse dos telespectadores, dominando o TOP 10 das mais vistas tanto no mês de novembro, como no acumulado do ano”, destaca a agência UM.

Arma Mortífera (AXN), Hawai Força Policial (Fox), Investigação Criminal (AXN) são outras das séries policiais que compõem o ranking.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Presidente do Conselho de Finanças Públicas (CFP), Nazaré da Costa Cabral. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Linhas de crédito anti-covid ainda podem vir a pesar muito nas contas públicas

Fotografia: Fábio Poço/Global Imagens

Apoio a rendas rejeitado devido a “falha” eletrónica

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Só 789 empresas mantiveram lay-off simplificado em agosto

O que gostam os portugueses? Séries de polícias e ladrões