Tecnologia

Estudo revela que estudantes universitários preferem smartphone… a comida

tecnologia, adolescentes, smartphone
Fonte: Pixabay

Um estudo feito na Universidade de Buffalo colocou um dilema hipotético a jovens universitários: escolher entre comida ou o smartphone.

Se fosse para passar privação, os estudantes preferiam viver sem comida e manter o smartphone, revelou o estudo, que contou com um ensaio feito com 76 estudantes. Os responsáveis pelo estudo, a estudante do doutoramento de psicologia Sara O’Donnel e o professor Leonard Epstein, quiseram perceber o fenómeno dos smartphones como reforço de um comportamento. Neste caso, o smartphone funcionaria como um estímulo que poderia reforçar a probabilidade de determinada resposta.

Leia também | O seu smartphone pode não estar tão limpo quanto parece…

Com estudantes entre os 18 e os 22 anos, os sujeitos do estudo poderiam passar períodos entre duas a três horas sem smartphone ou sem comida. Depois disso, os participantes teriam de cumprir determinada tarefa (trabalho escolar, por exemplo), para ter acesso a tempo com o smartphone ou a porções de 100 calorias da respetiva comida favorita. Quanto mais trabalhassem, mais tempo passavam com a recompensa escolhida.

Aquilo que o estudo conclui é que os estudantes estavam dispostos a trabalhar mais para poder passar mais tempo a utilizar o telefone. Além disso, também era colocada uma questão hipotética: quanto estariam dispostos a pagar para ter acesso ao telefone? Quanto mais os estudantes estivessem dispostos a gastar desse tal dinheiro hipotético ou tempo de trabalho mostrou a força de reforço do smartphone.

Leia também | O tablet não é uma ama digital no mundo das crianças

Os responsáveis pelo estudo, citado pelo site Geek.com, disseram estar “surpreendidos” pelos resultados. “Sabíamos que estariam motivados para ter acesso aos smartphones”, revelaram os responsáveis, que dizem não esperar, no entanto, que a tecnologia fosse colocada à frente da comida, na lista de prioridades.

Veja mais sobre tecnologia em insider.dn.pt

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Fiadores tendem a ser idosos

Pensões sobem em janeiro entre 0,8% e 1,5%, com mínimo de 6 euros

Fotografia: Miguel Pereira/Global Imagens

Valor máximo do subsídio de desemprego sobe 16 euros em 2019

José Neves, CEO da Farfetch. Fotografia:  REUTERS/Toby Melville

Farfetch compra empresa de calçado desportivo por 250 milhões

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Estudo revela que estudantes universitários preferem smartphone… a comida