Internet

Etiópia bloqueou acesso à internet para impedir ‘copianços’ nos exames

foto: DR
foto: DR

Apesar de não ter sido confirmada pelas entidades da Etiópia, os dados apontam que o país tenha bloqueado momentaneamente o acesso à Internet.

A situação é apontada pelo grupo Net Blocks, que aponta um ‘blackout’ total no acesso à Internet esta terça-feira, durante o tempo dos exames nacionais da Etiópia.

Os dados que circulam no Twitter, visíveis na conta Internet Intelligence, mostram também uma acentuada quebra no tráfego durante o período de tempo dos exames.

De acordo com o site Africa News, não é a primeira vez que esta situação ocorre na Etiópia. Em 2017, uma fonte oficial terá reconhecido à Reuters esta prática, para “prevenir a fuga de informação”. Era ainda explicado que se tratava de uma medida “proativa”. “Queremos que os nossos estudantes se concentrem e que estejam livres da pressão psicológica e distrações [da internet]”, indicava Mohammed Seid, responsável governamental, à Reuters.

Leia também | Rússia quer desligar-se da Internet para exercício de defesa

Há uns anos, uma fuga de informação e divulgação das provas de exame na internet motivou inclusive o cancelamento dos exames.

Esta prática de bloqueio de acesso à internet está a merecer fortes críticas por parte de grupos que defendem os direitos digitais. Em África, bloqueios deste género têm sido recorrentes, com os grupos ativistas a defender que “se trata de uma violação dos direitos humanos”, com práticas perigosas para a democracia.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(Artur Machado / Global Imagens)

Dinheiro Vivo mantém-se líder digital dos económicos

O ex-diretor das Grandes Empresas da Caixa Geral de Depósitos, José Pedro Cabral dos Santos na II comissão Parlamentar de Inquérito à Recapitalização da Caixa Geral de Depósitos e à Gestão do Banco, na Assembleia da República. MÁRIO CRUZ

Cabral dos Santos apresenta carta a desmentir Berardo sobre créditos na CGD

António Costa Silva, presidente do grupo Partex. 
(Nuno Pinto Fernandes / Global Imagens)

Gulbenkian conclui venda da Partex à tailandesa PTTEP por mais de 600 milhões

Outros conteúdos GMG
Etiópia bloqueou acesso à internet para impedir ‘copianços’ nos exames