Eurovisão

Eurovisão em Jerusalém? “Não marquem já as viagens”, avisa organização

Netta, representante de Israel, venceu a edição de 2018 do festival Eurovisão, realizado no Altice Arena, em Portugal, com a música Toy.
(EPA/JOSE SENA GOULAO
Netta, representante de Israel, venceu a edição de 2018 do festival Eurovisão, realizado no Altice Arena, em Portugal, com a música Toy. (EPA/JOSE SENA GOULAO

Vencedora e primeiro-ministro da Israel queriam que a final se realizasse na cidade de Jerusalém. Organização ainda não definiu nada

“Para o ano em Jerusalém!” Esta foi a frase proferida por Netta, a representante de Israel, após o país ter vencido a primeira edição de sempre da Eurovisão em Portugal. Só que nesta altura ainda não é certo em que cidade de Israel será realizado o concurso em 2019.

A Eurovisão publicou esta terça-feira uma mensagem nas redes sociais a pedir aos fãs deste certame para não marcarem já as viagens para Israel.

“Já estão à espera da Eurovisão do próximo ano? Nós também. Mas não comprem já as vossas viagens. Para informações oficiais ou saber onde é que o evento será realizado, fiquem atentos aos nossos canais oficiais”, refere a Eurovisão na publicação.

Além de Netta, o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyhau, através da sua conta oficial na rede social Twitter, disse o mesmo. “No próximo ano em Jerusalém”, lê-se numa publicação partilhada pouco depois das 00:00 de hoje, acompanhada de um vídeo com a consagração de Netta.

No entanto, no final da conferência de imprensa com a vencedora, o supervisor executivo do Festival Eurovisão da Canção, Jon Ola Sand, disse que ainda “não foi definida cidade nem data”.

Israel acolheu o Festival Eurovisão da Canção em 1979 e em 1999, por ter vencido nos anos anteriores. Só que em 2018 vive-se sob tensão em Jerusalém, que não é reconhecida como capital de Israel por parte da União Europeia.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

LUÍS FORRA/LUSA

Dia 7. Patrões e motoristas divididos por 50 euros

Motoristas em greve junto à saída da sede da Companhia Logística de Combustíveis (CLC), em Aveiras de Cima, durante a greve por tempo indeterminado dos motoristas de matérias perigosas e de mercadorias, Azambuja, 16 de agosto de 2019. Portugal está, desde sábado e até às 23:59 de 21 de agosto, em situação de crise energética, decretada pelo Governo devido a esta paralisação, o que permitiu a constituição de uma Rede de Emergência de Postos de Abastecimento (REPA), com 54 postos prioritários e 320 de acesso público. TIAGO PETINGA/LUSA

Greve dos motoristas: atenções voltadas para plenário de trabalhadores

Outros conteúdos GMG
Eurovisão em Jerusalém? “Não marquem já as viagens”, avisa organização