Tecnologia

Falha de segurança descoberta em telemóveis da Xiaomi

Falha de segurança descoberta em telemóveis da Xiaomi

Os investigadores da empresa de segurança Check Point encontraram uma vulnerabilidade numa das aplicações pré-instaladas dos smartphones da Xiaomi.

Com a quota de mercado da empresa chinesa a aumentar consideravelmente, também o número de utilizadores que podem ter sido afetados por esta vulnerabilidade aumenta. A falha de segurança encontrada pela Check Point foi detetada na aplicação Guard Provider – que, ironicamente, se dedica a manter o dispositivo em segurança.

Leia também Novas imagens do próximo iPhone mostram mudança radical

Sendo uma app pré-instalada, fazendo parte das definições de fábrica do smartphone, esta não pode ser apagada do telefone.

“Devido à natureza insegura do tráfego da rede de e para o Guard Provider e também ao uso de múltiplos SDKs dentro da mesma aplicação, o agente da ameaça consegue conectar-se à mesma rede Wi-Fi que as vítimas e executar um ataque Man-in-the Middle (MiTM)”, explica a Check Point, através de nota de imprensa.

Leia também | Quer proteger o seu smartphone? Estas opções prometem ajudar

Depois de explorar estas falhas de comunicação, eventuais agentes podem injetar código nocivo no smartphone – com muitas possibilidades à escolha, desde roubo de palavras-passe, ransomware ou outro tipo de malware, alerta a empresa.

A empresa refere também que alertou a Xiaomi para esta vulnerabilidade, que já lançou uma correção para esta questão.

De acordo com a IDC, a Xiaomi já é a quinta marca de smartphones mais vendida na área EMEA (Europa, Médio Oriente e África). Estes dados referem-se ao último trimestre de 2018, com 4,2 mil milhões de telefones vendidos, traduzindo-se numa quota de mercado de 4,3% durante o mesmo período.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: Gustavo Bom/Global Imagens

Não conseguiu validar as faturas para o IRS? Contribuintes têm mais um dia

O ministro das Finanças, Mário Centeno, na apresentação das obras de arte da coleção BPN, agora integradas na Coleção do Estado, no Forte de Sacavém. Fotografia: TIAGO PETINGA/LUSA

Fundo de Resolução já pagou em juros 530 milhões ao Estado e 90 milhões a bancos

(Filipe Amorim / Global Imagens)

Venda do Novo Banco é “um não-assunto” para o Fundo de Resolução

Falha de segurança descoberta em telemóveis da Xiaomi