smartphones

Galaxy A6+: um smartphone robusto na gama média

Samsung Galaxy A6+

Perto do final de maio, a Samsung fazia chegar ao mercado dois novos modelos, na faixa de preço da gama média: o Galaxy A6 e o A6+.

Na versão testada, o Galaxy A6+, a marca apresenta um terminal em metal, com um ecrã de dimensões generosas de seis polegadas. A questão é que, graças à reduzida moldura que rodeia o ecrã Super AMOLED do telefone, o utilizador tem uma área de ecrã utilizável maior. Mas prepare-se também para uma sensação de um terminal pesado: são 191 gramas de peso, bastante notórios nas primeiras interações.

Ainda assim, a construção em metal dá uma sensação de robustez e um bom aspeto ao terminal, embora hoje em dia não existam grandes características diferenciadoras no mercado dos smartphones. Falando em ergonomia, o A6+ também não se sai mal – não houve escorregadelas acidentais ou a sensação de que a qualquer momento o telefone possa estar em perigo (algo que tem sido uma queixa com alguns smartphones lançados recentemente).

Com uma resolução de 1080 por 2220 pixéis, o Galaxy A6+, a experiência de utilização visual do telefone não dá grandes problemas. Ainda assim, durante a utilização no exterior, foi necessário aumentar bastante a luminosidade para garantir uma utilização confortável. À semelhança de outros modelos da marca, também este smartphone de gama média conta com o Always on Display, que pode ser personalizado pelo utilizador (para apresentar as notificações, horas ou controles de reprodução multimédia, por exemplo).

Na bateria, o A6+ está em clara vantagem em relação ao A6: 3500 mAh contra os 3000 mAh de capacidade do A6. Aqui não houve grandes aborrecimentos: uma carga permitia a utilização habitual (email, redes sociais, câmara fotográfica) de um smartphone durante mais de dia e meio.

O problema é que para se ter uma carga completa foi preciso tempo – o A6+ não tem carregamento rápido, o que num mercado onde o carregamento rápido já começa a ser corriqueiro, pode bem ser encarado como um contratempo.

No desempenho, há que fazer uma gestão de expectativas, já que estamos a falar de um smartphone de gama média: pelo preço pedido (389 euros no A6+) pode não ter o melhor e mais rápido processador do mercado, mas a performance do A6+ garante uma experiência fluida, sem bloqueios inoportunos.

A aposta na câmara dupla
No caso do A6+, a proposta de câmara dupla traseira é composta por 16 MP e 5 MP (com abertura de F 1.7 e F1.9, respetivamente). Na câmara frontal, 24 MP, com uma abertura de F1.9.

É aqui que o A6+ se distingue do A6: só esta versão é que tem uma combinação de câmara dupla. No A6, ambos os sensores são iguais: 16 MP para a câmara frontal e outros 16 MP para a traseira. Os 24 MP da câmara frontal são uma escolha óbvia num mercado que cada vez mais opta por utilizar o termo ‘selfie’ como um ponto para vender smartphones. Ainda assim, não há queixas neste requisito.

A câmara dupla ajuda no resultado das imagens conseguidas com a câmara traseira, com cores fiéis às cenas retratadas. No que toca a filtros e outros gimmicks, a Samsung inclui as habituais opções: Live Focus para controlar a profundidade de campo, modos de fotografia e etc.

Má colocação do sensor de impressão digital
Há que ter em conta que nesta questão de smartphones há sempre uma dose de gostos pessoais: se há quem não se importe por demais com a localização do sensor, também há o grupo de quem não é fã da localização do sensor de impressão digital na traseira do telefone.

E é justamente aí que está localizado o sensor neste A6+ (e também no A6), mesmo por baixo da câmara do telefone. Durante o teste, foram várias as vezes em que o dedo lá escorregou para o conjunto de câmaras – o que se traduz numa habitual limpeza antes de pensar sequer em fotografar.

Indo além da localização do sensor, a resposta do sensor nem sempre foi a mais rápida e não foi fenómeno raro a indicação de impressão digital errada. Ainda assim, o A6+ permite explorar outras formas de autenticação e segurança, como o desbloqueio por reconhecimento facial – que não deu grandes problemas.

Em linhas gerais, o Galaxy A6+ é um terminal com uma boa construção, um ecrã com bom aspeto, que se senta confortavelmente na faixa de preços da gama média do portfólio da Samsung. Ainda assim, peca pela falta de carregamento rápido, mas ganha uns pontos pelo uso de câmara dupla nesta gama de preço abaixo dos 400 euros, numa proposta que é Dual SIM.

Características:
Processador: Qualcomm Snapdragon 450
RAM: 4GB
Armazenamento: 64GB (expansível até 256GB com cartão microSD)
Sistema operativo: Android 8.0 (Oreo)
Resolução de ecrã: 1080 por 2220 pixéis, 18.5:9

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

O empresário Joe Berardo à chegada para a sua audição perante a II Comissão Parlamentar de Inquérito à Recapitalização da Caixa Geral de Depósitos e à Gestão do Banco, na Assembleia da República. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

A “golpada”, a falta de património e o risco todo no lado da CGD

Luís Castro Henriques .
(PAULO SPRANGER/Global Imagens)

Luís Castro Henriques: “Portugal já não é um país de burocratas”

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Galaxy A6+: um smartphone robusto na gama média