calçado

A nova loja Luís Onofre é no Porto

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

Estilista desenvolver novos modelos exclusivamente para a loja do Aviz, na Avenida da Boavista

Há anos que Luís Onofre, designer de calçado e de acessórios, assumia a vontade de abrir uma loja em nome próprio no Porto. Uma ambição que foi sendo adiada, por falta do espaço adequado às pretensões da marca, mas, finalmente, a primeira flagship store de Onofre abriu este sábado, dia 3 de junho, ao público. O espaço conta com uma parceria com a marca de mobiliário Boca do Lobo.

O edifício Aviz, na Avenida da Boavista, número 3483, foi o local escolhido para a primeira das lojas de Luís Onofre a norte. “Foi difícil de encontrar o espaço com a localização certa para o posicionamento da marca, mas finalmente conseguimos e vamos estar numa área muito nobre da cidade”, diz Luís Onofre. Em declarações ao Dinheiro Vivo, o empresário e recém-eleito presidente da APICCAPS, a associação do calçado, não esconde a satisfação com o seu mais recente investimento e destaca a parceria com o grupo de mobiliário Boca do Lobo, cujas peças servirão, simultaneamente, para decorar a loja, estando, também, aí à venda.

“Fizemos uma parceria muito interessante com a Boca do Lobo que nos vai permitir ter sempre novidades dentro da loja e adaptar o design ao mobiliário que vai mudando. Vai ser um win-win maravilhoso. São setores distintos, mas a Boca do Lobo é uma marca excelente, de referência no mobiliário nacional e, aqui, haverá um contraste entre a decoração minimalista do espaço e a riqueza das pelas da Boca do Lobo”, explica Luís Onofre.

A parceria entre as duas marcas não é nova. Luís Onofre realizara já a sessão fotográfica da campanha de primavera-verão 2017 no novo showroom da Boca do Lobo, uma das marcas de mobiliário de luxo usadas no filme ‘As 50 Sombras de Grey‘.

Com 120 metros quadrados, a loja do Porto é maior do que a da Avenida da Liberdade, em Lisboa. Uma “decoração minimalista” assegura um maior destaque às criações de Luís Onofre. Aliás, a abertura desta flagship store a meio da estação criou alguns desafios. “Abrir em junho, quase em cima dos saldos, fez-nos pensar o que haveríamos de colocar nesta loja, se produto de verão, se calçado de inverno. E acabamos por criar uma série de modelos novos e adaptamos outros da coleção já existente de verão, pelo que o produto que está à venda no Avis é único, não existe em mais lugar nenhum”, explica o estilista.

E tudo indica que os planos de abertura de lojas próprias de Onofre não se fiquem por aqui. “Estas duas lojas, em Lisboa e no Porto, vão-me permitir grande um khow how bastante grande a nível comercial e que usarei, mais tarde, para a abertura de lojas no estrangeiro”, frisa. Onde? “Há uma série de fatores que se têm de conjugar para se poder avançar com um projeto desse tipo. Não é só a localização, é também encontrar o parceiro certo local e o produto adequado ao país. Mas não basta. É preciso assegurar a notoriedade prévia da marca Luís Onofre no mercado. Tudo isso é um trabalho muito demorado”, sublinha.

Recorde-se que foi em janeiro de 2014 que Onofre abriu a sua primeira loja, na avenida da Liberdade, em Lisboa. Três anos depois, surge a do Porto. “Era um mercado que estava em fase ainda embrionária, mas que hoje é um foco crescente do turismo. Adoro passear pela cidade e ouvir falar uma série de idiomas diferentes. O Porto foi eleito, pela terceira vez, o melhor destino europeu, alguma coisa temos que ter a diferenciar-nos”, diz o empresário, que admite ser este o momento certo para investir. “A economia está a crescer, nota-se uma melhoria significativa no ambiente económico. Estou confiante e com uma atitude positiva face ao futuro”, garante.

 

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
País precisa de repor, pelo menos, os 150 mil hectares de floresta perdida nos últimos 10 anos. Fotografia: Rodrigo Cabrita

Floresta vale mais de 1,3 mil milhões e está subaproveitada

António Serrano, nos estúdios da TSF. Professor catedrático e político português, foi Ministro da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas do XVIII Governo Constitucional de Portugal.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

António Serrano: “É preciso um choque de gestão no território florestal”

Jean-Claude Juncker. Fotografia: REUTERS / François Lenoir

Dinheiro do plano Juncker para Portugal duplica em apenas um ano

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
A nova loja Luís Onofre é no Porto