Privacidade

Há novas regras no Facebook. Saiba o que fazer agora

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

O novo regulamento geral de proteção de dados da Europa obriga o Facebook a pedir algumas autorizações específicas aos utilizadores.

Da próxima vez que entrar no Facebook, seja no computador ou no smartphone, é provável que receba uma mensagem da rede social sobre mudanças na forma como os dados dos utilizadores são recolhidos e usados.

É isso que define o novo regulamento geral de proteção de dados (RGPD) na Europa – sem as autorizações expressas dos utilizadores, a rede social não pode usar determinados dados. Como já foi dito várias vezes, o RGPD vem mudar a forma como o Facebook e outros gigantes da internet lidam com as informações das pessoas.

Aquilo que o Facebook está agora a mostrar aos utilizadores já tinha sido comunicado no site da empresa. Na prática a plataforma precisa de pedir autorização explícita para: usar dados de parceiros para melhor direcionar publicidade aos utilizadores; usar as informações políticas, religiosas ou relativas a um relacionamento que estão no perfil do utilizador; usar a tecnologia de reconhecimento facial; e pedir ao utilizador para que aceite os novos termos gerais de utilização e política de dados.

Quando o Facebook pedir estas autorizações, o que fazer?
Há duas opções: aceitar cada um dos pedidos do Facebook e continuar a usar a rede social; ou gerir manualmente as definições de cada uma das opções que lhe são mostradas (podem ser três ou quatro), sendo que neste caso pode declinar a utilização de alguns dados.

A opção mais indicada é fazer a gestão manual de cada uma das definições. Desta forma o utilizador vai ficar mais informado sobre os pedidos que o Facebook está a fazer e também vai ficar informado sobre de que forma a sua experiência no Facebook vai ser afetada, positiva ou negativamente, mediante aceite ou não as novas condições.

Por exemplo, no separador ‘Anúncios baseados em dados de parceiros’, o Facebook diz que usa dados de anunciantes, programadores de aplicações e de publicações para melhorar os anúncios que mostra a cada um. “Concebemos os nossos sistemas para que possamos mostrar-te anúncios que são relevantes e úteis para ti”, pode ler-se na mensagem da rede social.

O Facebook diz depois que regista a atividade do utilizador em sites e apps que usam as ferramentas de negócio do Facebook. Ou seja, se aceitar esta opção, sempre que visitar um site que tenha algum elemento do Facebook integrado, a rede social vai poder usar essa informação para melhor endereçar publicidade.

Então e se não aceitar? “Quando não usamos este tipo de dados, vais ver o mesmo número de anúncios, mas poderão ser menos relevantes”, explica a rede social.

O último dos passos que o Facebook executa neste processo é pedir ao utilizador que aceite os seus novos termos gerais – dos quais já falámos aqui. Se aceitar, então pode continuar a usar o Facebook.

E se não aceitar?
“Se não queres aceitar os Termos, vê outras opções”. Quando clica em ‘outras opções’, o utilizador é levado para uma janela na qual pode apagar a sua conta do Facebook. Conclusão? Ou aceita os termos gerais do Facebook ou então o melhor é sair da plataforma.

O Facebook aconselha primeiro os utilizadores a descarregarem os seus dados pessoais e só no final dessa página é que aparece o link que diz “estou pronto para apagar o meu Facebook”.

Quero voltar a gerir as minhas definições, como fazer?
Vamos imaginar que no momento em que o aviso do Facebook lhe apareceu, decidiu dar todas as autorizações sem ver de facto as implicações de cada uma. Se estiver arrependido, pode alterar essas opções no menu de definições.

A forma ‘empacotada’ como o Facebook lhe fez estes pedidos de autorização já não aparece, mas é possível nas definições da rede social alterar cada um destes consentimentos e também apagar a conta no Facebook.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
António Ramalho (Novo Banco), Luís Pereira Coutinho (Banco Postal), Nuno Amado (BCP) e António Vieira Monteiro (Santander Totta). Fotografia: TIAGO PETINGA/LUSA

Transferências bancárias imediatas sim, mas com custos

Fotografia: Leonardo Negrão / Global Imagens

Lesados do Banif pedem indemnização de 100 milhões a Portugal e a Bruxelas

As associações representativas dos taxistas marcaram para esta quarta-feira uma manifestação nacional contra a promulgação pelo Presidente da República do diploma que regula as plataformas electrónicas de transporte como a Uber, Cabify, Taxify e Chaffeur Privé. Manifestação de Lisboa.
Táxis junto à rotunda do Marquês de Pombal 
( Nuno Pinto Fernandes/ Global Imagens )

Plataformas de transportes ganham pouco com concentração dos taxistas

Outros conteúdos GMG
Há novas regras no Facebook. Saiba o que fazer agora