Tecnologia

Galaxy Fold. Primeiro contacto com o dobrável da Samsung

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

Na IFA, tivemos oportunidade de colocar as mãos no Galaxy Fold, o primeiro smartphone dobrável da Samsung. E há algumas mudanças visíveis.

Foi anunciado em fevereiro, mas só este mês é que o Fold chega oficialmente ao mercado. Para quem não tem acompanhado o percurso deste telefone, os problemas com o ecrã das unidades de teste distribuídas pelos media internacionais, poucos dias depois do início das análises, levaram a um processo de recolha. Além de recolher as unidades e adiar os lançamentos em vários pontos do globo, a tecnológica sul-coreana anunciou também que iria fazer algumas alterações ao smartphone.

Em junho, quando o Dinheiro Vivo/Insider esteve numa roundtable em Seul com DJ Koh, o líder da área mobile da Samsung, este chegou mesmo a reconhecer que “faltou algo” no Fold, declarando que a marca precisava de mais tempo para este telefone.

Leia também | Galaxy Fold. “Dêem-nos mais algum tempo”, pede CEO da Samsung

Já tinha sido anunciado que o telefone seria lançado em setembro – mas só em mercados selecionados, como havia sido dito. Na IFA, há a oportunidade de ficar a conhecer de perto o Fold, desde que se esteja disposto a enfrentar a fila.

É, aliás, uma das perguntas mais feitas às dezenas de promotores presentes no pavilhão da Samsung: “onde é que posso ver o Fold?” Ao contrário dos restantes produtos da marca, que estão dispostos em mesas corridas e de fácil acesso, é preciso passar por uma fila para aceder a uma área onde os promotores mostram aos visitantes o Fold e quais são as principais mudanças.

É possível tocar no smartphone, manuseá-lo. Como já se sabe, quando está dobrado, o formato do Fold é diferente dos smartphones a que estamos habituados, é mais estreito, com um ecrã mais reduzido. Quando está aberto, o Fold passa a ter um ecrã de grandes dimensões, com 7,3 polegadas.

Logo nesse momento, é possível notar uma grande diferença: a película protetora cobre todo o ecrã, incluindo a moldura do telefone. Afinal, terá sido a remoção desta película durante as análises da primeira versão que causou problemas. Com o ecrã AMOLED mais exposto, algumas partículas de pó terão prejudicado as primeiras unidades.

Além disso, nesta nova versão há ainda uma nova peça, na base da dobradiça, com o intuito de servir de reforço durante a utilização. Também há uma redução do espaço entre as duas partes do telefone quando está dobrado. Em comparação com a versão anterior, o Fold aparenta agora ser mais estreito quando está “fechado”.

De resto, foi possível ver ao vivo a funcionalidade de app continuity, que permite que a aplicação “cresça” entre o modo de smartphone fechado ou aberto, sem grandes dissabores no desempenho. Claro que, por agora, há um limite de aplicações compatíveis com este smartphone. Já na altura do anúncio do Fold, em fevereiro, a Samsung indicava que muito do trabalho deste smartphone estaria ligado ao contacto com outras empresas, para garantir a compatibilidade das aplicações com este novo tipo de equipamento.

A partir desta semana, o Galaxy Fold já está disponível para compra na Coreia do Sul. A 18 de setembro, chega a mais mercados, como França, Alemanha e Reino Unido. Nestes dois últimos territórios, estará disponível a versão com compatibilidade com as redes móveis 5G, com um preço de 2100 euros. A versão sem compatibilidade 5G custa 2 mil euros.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: José Carmo/Global Imagens

ISEG estima queda do PIB entre 8% e 10% este ano

António Mota, fundador da Mota-Engil. Fotografia: D.R.

Mota-Engil é a única portuguesa entre as 100 maiores cotadas do setor

António Rios Amorim, CEO da Corticeira Amorim. Fotografia: Tony Dias/Global Imagens

Lucros da Corticeira Amorim caíram 15,1% para 34,3 milhões no primeiro semestre

Galaxy Fold. Primeiro contacto com o dobrável da Samsung