Tecnologia

GPS mais antigos podem deixar de funcionar já em abril

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

Lembra-se do famoso bug do ano 2000, conhecido como Y2K, que supostamente colocaria em risco vários produtos tecnológicos? É isso que poderá a acontecer com os equipamentos de GPS mais antigos, a partir de 6 de abril.

A questão tem ficado conhecida como Week Number Rollover. Os equipamentos GPS recorrem a um parâmetro específico que conta o tempo em semanas e que reinicia automaticamente quando se atinge a semana 1024. A primeira contagem começou a 6 de janeiro de 1980 e o primeiro reiniciar do sistema foi feito a 21 de agosto de 1999. Quando é que se chegam às 1024 semanas a partir dessa data? A 6 de abril de 2019.

É esperado que este ‘bug’ chegue aos equipamentos GPS mais antigos, sendo que já há várias marcas que estão a pedir aos utilizadores que verifiquem se têm o software do GPS atualizado. De um modo geral, quem faça atualizações regulares ao seu GPS estará a salvo deste problema.

Leia também | Quer manter os seus filhos debaixo de olho? Estas apps ajudam

O ‘bug’ em si não será catastrófico, mas poderá trazer problemas na navegação, como reiniciar a data do equipamento ou fazer alterações à localização. Sendo que os GPS precisam de dados muito precisos relativamente a datas para fazer a localização, qualquer segundo de diferença pode trazer grandes alterações à precisão da localização.

Embora este reset esteja marcado para o dia 6 de abril, poderá haver casos em que os erros só se manifestam mais tarde. De qualquer forma, mais vale fazer uma dupla verificação e perceber se tem o software mais atualizado possível, já que vale mais prevenir do que remediar…

Na galeria acima, pode encontrar algumas alternativas de aplicações de GPS.

Veja mais sobre tecnologia em insider.dn.pt

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

LUÍS FORRA/LUSA

Dia 6. 50 euros dividem patrões e motoristas

O advogado e porta-voz do sindicato nacional dos motoristas, Pardal Henriques. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Sindicato: “Queremos bases bem definidas para iniciar negociação”

Outros conteúdos GMG
GPS mais antigos podem deixar de funcionar já em abril