Emprego

Nutella está a contratar 60 pessoas para provarem os seus produtos

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

Pela primeira vez, a Ferrero está a contratar cidadãos comuns para provarem um dos seus produtos mais icónicos. Experiência necessária? Nenhuma.

A Ferrero, gigante italiana e confeção de produtos à base de chocolate (como os famosos Ferrero Rocher ou Mon Chéri), está a contratar 60 pessoas para provarem um dos seus produtos mais famosos, a Nutella, noticia o jornal italiano La Repubblica.

A função, que tem a designação de “juiz sensorial” mas que, na prática, corresponde a ‘provador’ de Nutella, não é nova pois já era desempenhada por técnicos especializados da empresa. A novidade está no facto da Ferrero pretender agora que o trabalho seja realizado por cidadãos comuns que terão como objetivo “degustar cacau, avelãs e outros produtos doces”. Os únicos requisitos para concorrer são a ausência de alergias a produtos alimentares e saberem trabalhar com um computador.

O trabalho compreende apenas dois dias por semana e será realizado na sede da empresa, situada na cidade italiana de Alba.

Leia também: Sem stress. 10 profissões bem pagas e relaxadas

Os 60 candidatos selecionados terão uma formação de três meses (com início a 30 de setembro) para desenvolverem as papilas gustativas e o olfato, assim como aprenderem a terminologia correta para a identificação e descrição de diferentes produtos e sabores. No final do curso, o número de trabalhadores ficará reduzido a 40 elementos que serão divididos em dois grupos de 20 e onde lhes será proposto um trabalho em part-time como ‘provadores oficiais’ de Nutella da Ferrero.

Se está interessado em concorrer ao “emprego mais doce do mundo”, apresente a sua candidatura através do e-mail alba@openjob.it, com a indicação no assunto RIF. ALB01.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Estado ‘devolve’ em deduções 60% do Adicional ao IMI que cobra

Amoreira Óbidos

Espanha desapareceu do mapa e França descobriu o velho oeste português

António Mexia  (EDP) durante a cerimonia de assinatura de financiamento por parte do Banco Europeu de Investimento (BEI) da Windfloat Atlantic. Um projecto de aproveitamento do movimento eólico no mar ao largo de Viana do Castelo.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

EDP quer exportar tecnologia do maior parque eólico flutuante do mundo

Outros conteúdos GMG
Nutella está a contratar 60 pessoas para provarem os seus produtos