Riqueza

Há quem pague 170 mil euros por este peixe. Porquê?

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

Estes peixes cintilantes podem crescer até um metro de comprimento.

Iates e mansões são os sinais mais comuns de riqueza extrema. Mas, para a elite asiática, este peixe exótico raro tornou-se o símbolo de status mais cobiçado. Muitos acreditam que o peixe traz boa sorte e riqueza

As escamas cintilantes e corpo sinuoso tornam o aruanã asiática numa das criaturas aquáticas mais caras do mundo, com rumores de que possa chegar aos 170 mil euros. Também conhecido como “peixe-dragão”, este não é um peixe típico no que toca a animais de estimação. Estes peixes cintilantes podem crescer até um metro de comprimento.

Esta criatura está protegida pela Lei das Espécies Ameaçadas, sendo que está em vias de extinção. Em 1975, foi assinado um tratado entre 183 países, onde a espécie foi considerada rara e por isso banida do comércio internacional. Mas como “o fruto proibido é o mais apetecido”, este acordo só tornou o peixe numa mercadoria de luxo que emergia no mercado negro.

A obsessão pelo “peixe-dragão” fez aumentar a criminalidade em algumas cidades, sendo que à medida que o tempo passou, as restrições foram amolecendo. Atualmente, é permitido comercializar esta espécie desde que tenha sido criada em fazendas, tal como os seus progenitores.

Segundo a Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas, que acompanha as exportações legais de aruanã, mais de 200 mil negócios foram registados em 2016. A maioria veio da Indonésia e da Malásia e acabou em aquários chineses.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Alexandre Fonseca, presidente da Altice Portugal (Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Altice sobre compra TVI. “Estado perdeu 200 milhões num ano”

Alexandre Fonseca, presidente da Altice Portugal (Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Altice sobre compra TVI. “Estado perdeu 200 milhões num ano”

Combustíveis

Petróleo sobe em flecha. “Não haverá impacto perturbador nas nossas algibeiras”

Outros conteúdos GMG
Há quem pague 170 mil euros por este peixe. Porquê?