Tecnologia

Huawei junta-se à corrida para armazenar dados digitais em ADN

Só em 2018, a tecnológica chinesa investiu mais de 13 mil milhões de euros em investigação e desenvolvimento.

A Huawei quer ser muito mais do que smartphones e infraestrutura para empresas de telecomunicações. É por isso que a gigante chinesa está a desenvolver e a apoiar investigações nas áreas de armazenamento de dados em ADN, fabricação atómica e computação ótica, revelou William Xu, diretor do conselho de administração e líder de marketing, num encontro com imprensa e analistas (HAS 2019), em Shenzhen, China.

“Precisamos de avanços teóricos. Sem eles, o desenvolvimento da indústria vai estar limitado, assim como o da Huawei. Estamos agora em território nunca explorado. Precisamos de fazer o nosso próprio caminho”, justificou o executivo sobre estas apostas futuristas da empresa.

Na área de computação ótica, a Huawei quer tirar partido das propriedades naturais da luz – cores, difusão, interferência – para aumentar até 100 vezes a Lei de Moore, que prevê uma duplicação da capacidade de processamento da informação a cada 18 meses e que na perspetiva da tecnológica tem os dias contados, mais concretamente em 2025.

“O que se segue depois da Lei de Moore? Como é que vamos encontrar o X no futuro? Precisamos de ter avanços teóricos antes de acontecerem a nível físico. E isso significa que todos esses desafios podem tornar-se em inovações”, detalhou William Xu.

Já sobre o armazenamento de dados em ADN, a Huawei considera que este é um dos tópicos mais importantes da atualidade. “Todos os anos a necessidade de armazenamento de informação aumenta. Há um novo formato de armazenamento e chama-se ADN. Um milímetro cúbico de ADN pode guardar 700 terabytes de dados. Mas há desafios, como a velocidade de armazenamento e processamento da informação. Tem grande potencial, mas temos de trabalhar com o resto da indústria”, sublinhou o porta-voz da empresa.

Recorda-se que recentemente também a Microsoft deu passos importantes nesta área de investigação, em conjunto com a Universidade de Washington, nos EUA, tendo criado a primeira máquina totalmente automatizada que guarda informação digital em ADN.

Leia também | Do Técnico para o mundo. É na Física que nasce uma nova geração de génios portugueses

A terceira grande área na qual a Huawei está a apostar é nos processos de fabricação. Agora que já há chips de processamento na escala dos dez nanómetros, a empresa está a começar a pensar na etapa que se segue. “E se existir uma tecnologia que consegue manipular e controlar os átomos individualmente? Se olharmos para uma perspetiva de fabrico, podemos juntar átomos em nanoestruturas. Isso significaria aumentar a capacidade de produção, é isto que pode acontecer com a fabricação atómica”.

Aposta nas universidades

A Huawei está a investir 300 milhões de dólares anualmente no apoio a diferentes investigações que são feitas em ambiente académico e esta é uma aposta que a gigante chinesa vai querer continuar a fazer.

“Precisamos de ter inovação aberta e a maior fonte de avanços teóricos são as universidades e institutos de investigação”, salientou William Xu, que considera esta relação como positiva para ambas as partes.

“Como sabemos, as pesquisas de futuro vão ter muitas incertezas e as universidades dominam. Vamos dar prioridade à nossa colaboração com as universidades”.

* A Insider/Dinheiro Vivo viajou para Shenzhen a convite da Huawei

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
24/04/2019 - Decorre esta tarde a Assembleia Geral da EDP na Sede da EDP na Av 24 de Julho
João Manso Neto, António Mexia e Miguel Stilwell de Andrade
(Diana Quintela / Global Imagens)

Mexia e Manso Neto pedem recusa do juiz Carlos Alexandre

Fotografia: Pixabay

Preços afundam em maio. Taxa de inflação cai para -0,7%

(Orlando Almeida / Global Imagens)

Teletrabalho deve passar a implicar acordo escrito

Huawei junta-se à corrida para armazenar dados digitais em ADN