smartphone

Já conhecemos o ‘killer’ dos topos de gama: o novo (e com notch) Oneplus 6

13-SilkWhite-FaceUnlock

Assistimos esta quarta-feira ao lançamento mundial, em Londres, do Oneplus 6. Marca chinesa lança topo de gama dia 22 por preço de 519 euros.

É oficial: há mais um smartphone topo de gama com notch, o Oneplus 6. A característica inicialmente criticada por muitos, que mais não é do que um entalhe saído do topo dos novos ecrãs que ocupam quase por completo a face de um telemóvel, virou moda por todo o lado.

A marca chinesa apresentou esta quarta-feira, em Londres, com pompa e circunstância, o seu topo de gama Oneplus 6 repleto de motivos de interesse. Senão, vejamos, o novo smartphone é quase todo ecrã e consegue superar o Samsung S9 Plus (com 6,2 polegadas) ao ostentar ecrã de 6,28 polegadas (AMOLED Full-HD+) – pode ver aqui as características completas.

O notch da moda também está lá e temos duas câmaras de grande qualidade numa posição central (uma delas com zoom ótico de 2x e ambas incluem estabilizador ótico de imagem). Além disso, é resistente à água, tem traseira de vidro, um ar premium, uma leveza impressionante para o tamanho e… há o jack para os auscultadores. Além de ter o chamado FaceID, que desbloqueia o telefone com a nossa cara, tem leitor de impressão digital na parte de trás, ao centro, tal como o Samsung S9 Plus.

Nas impressões iniciais, gostámos do facto de ser leve, embora grande, de ser simples e rápido na utilização (o Android utilizado é muito simples e muito eficaz) e de ter vários controlos por gestos, como já vimos no iPhone X. As câmaras, à primeira vista, pareceram boas mas não devem bater as características noturnas do Huawei P20 Pro.

A traseira é de vidro mas com acabamento matte e as duas câmaras ao centro.

A traseira é de vidro mas com acabamento matte e as duas câmaras ao centro.

As duas câmaras (16MP a principal e 20MP a secundária) melhoraram os sensores em 19% e permitem modos de retrato variados (esses modos também vão chegar à câmara de selfie).

No lançamento, um dos fundadores, Carl Pei, destacou o uso do processador Snapdragon 845 e os ajustes que permitiram melhorar em 30% a rapidez – pode ter até 8GB de RAM e um máximo de 256 GB de armazenamento. Também prometeu que meia hora de carregamento permite ter um dia normal de uso e um dos desbloqueios com a cara mais rápidos, em apenas 0,4 segundos (que já vem do modelo 5T).

A versão silk white também tem acabamento em matte.

A versão silk white também tem acabamento em matte.

O vidro usado no Oneplus 6 é Gorilla Glass 5, que o responsável diz ser tão resistente quanto os anteriores da marca. Há também um modo de gaming, para focar o processamento todo na otimização do jogo que se está a jogar.

Três versões e preço base de 519 euros

Além da versão de vidro normal e brilhante, vem com uma versão matte preta e outra matte branca. O preço começa nos 519 euros (pode ir até aos 619) na versão com 6GB de RAM e 64 GB de armazenamento e é colocado à venda online a nível mundial dia 22 de maio, a próxima terça-feira.

Os rivais custam mais: o Samsung Galaxy S9 ronda os 869 euros, o Huawei P20 Pro, das três câmaras, os 899 e o iPhone X os 1149 euros.

Bullets Wireless vão custar 69 euros.

Bullets Wireless vão custar 69 euros.

Bullets Wireless foram a surpresa

Uma das novidades que não se esperava forma os primeiros headphones sem fios da Oneplus. Os Bullets Wireless integram o Google Assistant, têm um fio que liga o par de auscultadores e usam ímans para ficarem juntos um ao outro. A marca diz que um carregamento de 10 minutos dá para 5 horas de uso. Custam 69 euros e são oferecidos a quem comprar online o Oneplus 6.

O que é que a Oneplus tem?

A marca chinesa nasceu há pouco mais de quatro anos – em dezembro de 2013 -, com o espírito de startup e o lema: flagship killer (ou seja, assassino de topos de gama). A fama mundial rendeu-lhe vendas no primeiro ano de um milhão de unidades. Surpreendente, até pela forma como ganhou comunidades de fãs que adoraram o conceito inicial de ter um topo de gama por 200 euros.

Depois de alguns erros e complicações, mas também melhorias significativas, o ano passado a marca chinesa foi uma das primeiras a apostar num ecrã infinito. O surpreendente Oneplus 5T foi mesmo considerado um dos melhores telefones de 2017 por várias revistas da especialidade.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

Pedro Queiroz Pereira

Pedro Queiroz Pereira deixa império de mil milhões

Pedro Queiroz Pereira, presidente do conselho de administração da Semapa

Semapa: “Mais do que um património, PQP deixa força e deixa valores”

Outros conteúdos GMG
Já conhecemos o ‘killer’ dos topos de gama: o novo (e com notch) Oneplus 6