Criptomoedas

Piratas informáticos roubam 27,3 milhões de euros em criptomoedas

Criptomoedas | Bithumb
Foto: REUTERS/Toru Hanai

É o segundo ataque, no espaço de duas semanas, a uma plataforma sul-coreana. Especialista diz que ainda há muito por fazer a nível de segurança.

A plataforma de compra e venda de criptomoedas Bithumb foi alvo de um ataque informático que resultou no roubo 35 mil milhões de wons, o equivalente a 27,3 milhões de euros, em criptomoedas. A plataforma sul-coreana está entre as dez maiores do mundo na transação de criptomoedas, segundo o índice CoinMarketCap.

Depois de identificar o roubo, a Bithumb interrompeu todos os depósitos e levantamentos da plataforma como uma medida preventiva. A empresa também transferiu as criptomoedas para uma chamada ‘carteira fria’ (cold wallet), um método para guardar as divisas digitais sem que seja necessária uma ligação à internet, o que torna mais difícil o roubo através de ataque informático.

Recentemente uma outra plataforma sul-coreana, a Coinrail, também foi alvo de um ataque informático, mas não revelou quais os danos causados. Já no final de janeiro, a plataforma japonesa Coincheck perdeu o equivalente a 432 milhões de euros, em criptomoedas, após um ataque informático.

Vijay Ayyar, diretor de desenvolvimento de negócio da Luno, uma outra plataforma de exchange, diz que este é mais um exemplo de “como as plataformas de compra e venda de grandes mercados continuam a estar mal preparadas”. “O mercado num todo está a ver muitas ações de regulamentação e incidentes como este só vão acelerar o processo”, comentou à Bloomberg.

Como nota a agência de notícias, as principais criptomoedas e tokens do mercado estavam em queda após o anúncio do ataque à Bithumb. À hora de publicação deste artigo cada Bitcoin valia perto de 5.755 euros, o que representa uma desvalorização de 1,5% nas últimas 24 horas.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O presidente do Novo Banco, António Ramalho, conversa com Teresa Leal Coelho (ausente da foto), presidente da Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, durante a audição na Assembleia da República, Lisboa, 21 de março de 2019.  ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Ramalho: “DG Comp não tem particular simpatia pelos bancos portugueses”

António Tomás Correia, presidente da Associação Mutualista Montepio Geral

( Gustavo Bom / Global Imagens )

ASF inicia processo de avaliação da idoneidade de Tomás Correia

Rodrigo Costa, CEO da REN Fotografia: MÁRIO CRUZ/LUSA

Rodrigo Costa: “Já pagámos 127,5 milhões” de CESE

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Piratas informáticos roubam 27,3 milhões de euros em criptomoedas