Óscares 2020

Produção sul-coreana “Parasitas” conquista Óscar de melhor filme

Bong Joon Ho venceu, também, o óscar para melhor diretor pelo filme 'Parasitas' na 92ª cerimónia de entrega dos Óscares no Dolby Theatre, em Hollywood. Fotografia: David Swanson / EPA
Bong Joon Ho venceu, também, o óscar para melhor diretor pelo filme 'Parasitas' na 92ª cerimónia de entrega dos Óscares no Dolby Theatre, em Hollywood. Fotografia: David Swanson / EPA

Joaquin Phoenix ganhou o prémio de melhor ator, pela sua prestação no filme "Joker", e Renée Zellweger o de melhor atriz com o filme "Judy"

O filme “Parasitas”, do realizador sul-coreano Bong Joon Ho, venceu o Óscar de melhor filme, na 92.ª edição dos prémios da Academia das Artes e Ciências Cinematográficas, de Hollywood.

Os outros candidatos ao Óscar de melhor filme eram “Le Mans’66: O Duelo”, “O Irlandês”, “Jojo Rabbit”, “Joker”, “Mulherzinhas”, “Marriage Story”, “1917” e “Era Uma Vez em… Hollywood”.

O prémio foi entregue à equipa de produção, constituída por Kwak Sin Ae e Bong Joon Ho, pela atriz Jane Fonda, sob fortes aplausos do público, no Dolby Theatre, em Los Angeles.

“Parasitas”, que partiu com seis nomeações para os Óscares, conquistou os quatro mais importantes para os quais estava indicado: melhor filme, melhor realizador, melhor filme internacional e melhor argumento original. De fora ficaram melhor cenografia e melhor montagem, que cedeu a “Era Uma Vez… em Hollywood” e “Le Mans ’66: O Duelo”, respetivamente.

A longa-metragem, uma comédia negra sobre injustiças sociais, soma já perto de duas centenas de prémios, desde a estreia em Cannes, em maio do ano passado, onde conquistou a Palma de Ouro.

Foi também distinguido com os prémios de melhor filme em língua estrangeira e melhor argumento, pela academia britânica de cinema e televisão (BAFTA), de melhor filme estrangeiro, nos Globos de Ouro, e foi ainda a escolha do Sindicato dos Atores dos Estados Unidos, para melhor elenco, a principal categoria dos seus prémios, tendo sido a primeira produção estrangeira a conquistar a distinção.

“Parasitas” foi o vencedor da 92.ª edição dos Óscares, com a conquista de quatro estatuetas.

“Joker”, de Todd Phillips, partira com 11 nomeações, o maior número da noite, entre as quais melhor filme e melhor realizador, e obteve duas: melhor ator (Joaquin Phoenix) e melhor banda sonora (Hildur Guðnadóttir).

“1917”, que integrava o grupo de filmes com dez nomeações, obteve três Óscares: melhor mistura de som (Mark Taylor e Stuart Wilson), melhores efeitos visuais (Guillaume Rocheron, Greg Butler e Dominic Tuohy) e melhor fotografia (Roger Deakins).

Nomeado para dez estava igualmente “Era Uma Vez… em Hollywood”, que obteve a melhor cenografia (Barbara Ling e Nancy Haigh), depois de ter aberto a cerimónia com a conquista do Óscar de melhor ator secundário (Brad Pitt).

Com dois Óscares, em quatro nomeações, ficou igualmente “Le Mans ’66: O Duelo”: melhor montagem (Michael McCusker e Andrew Buckland) e melhor montagem de som (Donald Sylvester).

Nomeados para seis Óscares e vencedores de apenas um, são “Marriage Story” (melhor atriz secundária, Laura Dern), “Jojo Rabbit” (melhor argumento adaptado, Taika Waititi), e “Mulherzinhas” (melhor guarda-roupa, Jacqueline Durran).

Nomeados para três Óscares estavam “Bombshell – O Escândalo” e “Dois Papas”. O primeiro conseguiu o Óscar de melhor caraterização (Kazu Hiro, Anne Morgan e Vivian Baker), “Dois Papas” acabou sem distinções.

Renée Zellweger venceu o Óscar de melhor atriz, pelo desempenho no filme “Judy”, em que recria a atriz e cantora Judy Garland, na 92.ª edição dos prémios da Academia das Artes e Ciências Cinematográficas, dos Estados Unidos.

As outras candidatas ao Óscar de melhor atriz eram Cynthia Erivo, por “Harriet”, Scarlett Johansson, por “Marriage Story”, Saoirse Ronan, por “Mulherzinhas”, e Charlize Theron, por “Bombshell – O Escândalo”.

A 92.ª edição dos prémios da Academia das Artes e Ciências Cinematográficas, dos Estados Unidos, decorreu no Dolby Theatre, em Los Angeles, no domingo à noite, na Califórnia, madrugada de segunda-feira em Portugal.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa (E), conversa com o ministro de Estado e das Finanças, João Leão (D), durante o debate e votação da proposta do orçamento suplementar para 2020, na Assembleia da República, em Lisboa, 17 de junho de 2020. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Orçamento suplementar mantém despesa de 704 milhões de euros para bancos falidos

Jorge Moreira da Silva, ex-ministro do ambiente

(Orlando Almeida / Global Imagens)

Acordo PS-PSD. “Ninguém gosta de um planalto ideológico”

Mario Draghi, presidente do BCE. Fotografia: Reuters

Covid19. “Bazuca financeira tem de fazer mira à economia, desigualdades e clima”

Produção sul-coreana “Parasitas” conquista Óscar de melhor filme