lifestyle

Se trocasse as horas gastas nas redes sociais por livros, quantos lia por ano?

marktest

Warren Buffet diz que a chave do sucesso é "ler 500 páginas por dia". Pode parecer muito, mas não. Basta saber como quer aproveitar o tempo livre.

Se substituísse o tempo que passa por ano nas redes sociais pela literatura, sabe quantos livros iria ler ao fim de 12 meses? Cerca de 200. Pode parecer impossível, mas a matemática comprova-o.

Certamente já ouviu falar num dos hábitos comuns entre os mais bem sucedidos no mundo: A leitura. Veja-se, por exemplo, Warren Buffet, conhecido como ‘o Evangelho do Dinheiro’. Numa entrevista, o jornalista perguntou-lhe qual era a chave do sucesso. O CEO da Berkshire Hathaway foi perentório: “Ler 500 páginas por dia”. E ainda acrescentou: “É assim que o conhecimento funciona. Vai-se construindo. Qualquer um de nós o pode fazer, mas não garanto que todos o consigam.

É natural que a primeira reação à sugestão de ler 500 páginas por dia possa parecer tarefa de herói, mas não seria preciso grande esforço. Vejam-se os dados e façam-se as contas.

De acordo com estudos realizados nos Estados Unidos, um norte-americano lê, em média, entre 200 a 400 palavras por minuto. Um livro de não-ficção tem, em média, cerca de 50 mil palavras.

200 livros x 50 mil palavras por livro = 10 milhões de palavras
10 milhões de palavras / 400 palavras por minuto = 25 mil minutos
25 mil minutos / 60 minutos = 417 horas

Feitas as contas, sabemos desde já que seriam precisas cerca de 417 horas para ler 200 livros. É muito? Não, se considerarmos que o mesmo cidadão norte-americano passa, em média, 608 horas por ano nas redes sociais e outras 1642 horas em frente à televisão. Ao todo, são 2250 horas passadas no mundo do entretenimento.

Tudo se resume às escolhas que fazemos sobre o uso que queremos dar ao tempo que temos disponível. Mas há maneiras de se conseguir incentivar a ler.

Os benefícios da leitura

Estudos sobre o impacto da leitura na nossa vida não faltam: Há quem diga que o torna mais inteligente, como escreveu o psicólogo Keith Stanovich no site bibliográfico do Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos.

Há também provas de que a leitura o torna emocionalmente mais esperto, isto é, potencia a sua capacidade em ter empatia e inteligência emocional, como comprovaram estudos publicados na Public Library of Science, Journal of Research in Personality, European Journal of Communication Research e ainda na Science Magazine.

Por fim, ler ajuda a manter a sua mente em forma. Um outro estudo, este publicado no Journal of American Academy of Neurology, diz que a leitura ajuda a estimular a memória e a eliminar casos de lapsos, esquecimentos ou falta de memória.

Como ganhar o hábito

O grande fator que irá ditar o seu sucesso ou fracasso na decisão de cumprir ou não com o objetivo de ler mais é a força de vontade, mas sabemos que essa tende a falhar quando mais precisamos dela. O que pode fazer é ir construindo uma rotina que, inicialmente, deve começar por ler menos páginas, mas com mais atenção. À medida que for mantendo esse hábito, este tornar-se-à quase natural e a sua vontade por ler mais irá também aumentar.

Faça também mudanças como, por exemplo, ter um conjunto de livros sempre à mão na divisão da casa onde passa mais tempo, seja no escritório, no quarto ou na sala. Assim torna-se mais fácil escolher um e começar a lê-lo.

Opções não faltam

Nos tempos modernos como são os de hoje, os livros não se resumem ‘aos calhamaços’. Há grandes e pequenos, de todo o tipo de temas e em diferentes formatos. Hoje em dia já é possível ler um livro no telemóvel, ouvir audiobooks, descarregar o livro em formato digital ou fazê-lo da maneira mais convencional, isto é, tê-lo na mão.

Aproveite o tempo que tem disponível e não coloque entraves à própria mudança

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Se trocasse as horas gastas nas redes sociais por livros, quantos lia por ano?