Tecnologia

Será que os portugueses aderiram à moda dos telemóveis grandes?

iPhone 8

A crise já lá vai e, de acordo com o um estudo da GfK relativos ao primeiro trimestre do ano, os portugueses têm novos gostos nos telemóveis.

As modas vêm e vão. Há pouco mais de uma década quanto mais pequenos, melhores eram os telemóveis. Na era dos smartphones e dos ecrãs gigantes, 2018 marcou novas tendências com os topos de gama a seguirem a linha das duas câmaras, dos notch popularizados no iPhone X e, assim, ficaram cada vez mais atrativos.

De acordo com dados da empresa GfK, os portugueses estão a comprar telemóveis de maior dimensão e de maior valor. A informação obtida a partir do painel de bens de consumo tecnológico GfK, repete e reforça a tendência registada no ano passado, caracterizada pelo crescimento do preço médio dos telemóveis adquiridos.

No primeiro trimestre, o preço médio dos smartphones subiu 16% face ao mesmo período do ano passado. Os consumidores portugueses aderiram aos cada vez mais desejados smartphones premium o que, em conjunto com os chamados wearables, contribuiu para que a categoria de Telecomunicações tivesse registado um aumento de mais 19,8% em valor face ao mesmo período do ano passado.

Verifica-se ainda uma maior propensão para a compra de tecnologia de consumo em Portugal, com os portugueses a comprarem mais 8,7% do que em 2017 (faturação de 664 milhões de euros).

A categoria Eletrónica de Consumo registou um pequeno decréscimo mas, indica o estudo, os televisores e pequenas colunas de som mantiveram uma tendência de crescimento.

Os Grandes Eletrodomésticos tiveram um crescimento de 9,2% no primeiro trimestre e por lá reinaram os eletrodomésticos encastráveis, impulsionador pelo bom momento do mercado imobiliário – os secadores de roupa também têm crescido. Nos Pequenos Eletrodomésticos houve um crescimento de 8,3%, com os aspiradores a serem o principal motor desta categoria, bem como um aumento das vendas em produtos de cuidado pessoal – cuidado dental e secadores de cabelo.

O estudo da GfK é feito em 41 países e monitoriza as vendas de bens de consumo tecnológico e, no caso português, baseia-se num painel retalhista relativo a Portugal Continental, representativo das vendas a retalha verificadas em cada uma das categorias de produto.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral de Dep—ositos -

Sete dos créditos de risco da CGD tiveram perdas de 100%

Operadores da Groundforce onde a operação da empresa de ‘handling’ Groundforce inclui números como cinco minutos e 400 toneladas, mas também o objetivo de chegar ao fim de 2019 com 3.600 colaboradores, aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, 22 de janeiro de 2018. Para que os aviões estejam no ar, a Groundforce faz toda a assistência em terra, excetuando o fornecimento de comida e de combustível, como resume o presidente executivo da empresa, Paulo Neto Leite, numa visita guiada aos ‘bastidores’ do Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa. MÁRIO CRUZ/LUSA

Com o aeroporto de Lisboa “no limite”, Groundforce exige à ANA que invista já

(Rui Oliveira / Global Imagens)

Quota de mercado dos carros a gasóleo cai para mínimos de 2003

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Será que os portugueses aderiram à moda dos telemóveis grandes?