liderança

Terapia. O segredo do sucesso de Jay-Z e outros líderes de negócios

Jay-Z revela o seu sergredo. D.R.
Jay-Z revela o seu sergredo. D.R.

A terapia e os seus diferentes ramos, como a empatia, começam a tornar-se cada vez mais valiosos para os líderes de negócios.

O rapper, e homem de negócios Jay-Z revelou recentemente como conseguiu alcançar e manter o sucesso, quer como músico que como empresário de desportistas, que lhe valem um património líquido de 810 milhões de dólares, cerca de 685 milhões de euros. E o segredo, revelado numa entrevista ao The New York Times é: Terapia.

O músico explicou que cresceu com a experiência que envolve fazer terapia. “Cresci muito com a experiência. Mas, acho que o mais importante é que, percebi que tudo está ligado “, disse Jay-Z na entrevista. “Toda emoção está conectada e vem de algum lugar. E apenas estar ciente disso na vida quotidiana coloca você em vantagem “.

E, acrescentou que ampliar sua perspetiva ajudou-o a entender de onde os outros vêm, mesmo quando são racistas, por exemplo. “Em vez de reagir com isso com raiva, eu posso criar um estado de espírito capaz de dar uma resposta mais suave, ‘Ah, você é O.K?'”.

Jay-Z salienta ainda que, a empatia, que pode ser melhorada com ma terapia, estimula o sucesso no local de trabalho. O stresse pode ser debilitante numa carreira. Uma pesquisa sugere que o stresse e a saúde mental são responsáveis ​​por mais da metade de todos os dias úteis perdidos a cada ano. Um estudo de 1990 sobre treino em empatia em estudantes de medicina descobriu que aqueles que aprenderam a ter mais compaixão realmente tiveram níveis de stresse mais baixos ao interagir com outros em situações difíceis.

De referir, que as pessoas muitas vezes pensam em empatia como sentir a dor dos outros, o que pode representar custos psicológicos. Já aqueles que expressam empatia compassiva, que permite mais distância, têm respostas positivas, onde abordam os problemas dos outros de forma útil como problemas a serem resolvidos. E é isto o que Jay-Z defende, ao dizer que a empatia “pode ​​proporcionar um espaço mais suave” para as pessoas.

A empatia também é fundamental para ser um líder de sucesso, de acordo com pesquisas. Os líderes compassivos são mais propensos a envolver todos nos seus relatórios, enquanto os chefes injustos são mais propensos a ver seus funcionários dirigirem-se para as saídas, revela a Time.com

É o que muitos líderes empresariais proeminentes defendem. Bill e Melinda Gates pediram aos graduados de Stanford que praticassem empatia para resolver as maiores crises que o mundo enfrenta hoje, lembra a publicação.

O novo livro do CEO da Microsoft, Satya Nadella, defende “o poder de tomar uma decisão impulsionada pela empatia”. Jeff Bezos argumenta que, mesmo com toda a inteligência possível à sua disposição, você ainda precisa se ligar aos outros para ter sucesso.

E, Oprah Winfrey explicou como o seu programa teve tanto sucesso: “Eu tive que aprender a sentir com os outros, o que significa ser compassivo. Eu sinto com o outro. Isso significa que não só sou capaz de caminhar com os seus sapatos, meu coração bate com o seu. Eu vejo-me em você”. Encara os seus anos como apresentadora como “a minha maior terapia “.

Não é nenhuma surpresa, então, que a terapia e os seus ramos se tornaram mais valiosos em esferas corporativas tipicamente difíceis. Um relatório, o Fórum Económico Mundial prevê que a inteligência emocional será uma das 10 principais habilidades do mundo do trabalho até 2020. O treino em empatia surgiu como a mais nova tendência de liderança, com empresas que oferecem aulas na esperança de obter melhores resultados.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Paulo Azevedo, Chairman e Co-CEO da Sonae, e Ângelo Paupério, Co-CEO da Sonae.

(Leonel de Castro / Global Imagens)

Sonae SPGS com lucros de 200 milhões até setembro

Veículos estacionados no porto de Setúbal, durante a greve dos estivadores precários, em Setúbal, 14 de novembro de 2018. Em causa está um diferendo laboral desencadeado por um grupo de estivadores precários e a empresa de trabalho portuário Operestiva, que afeta várias empresas, entre as quais a Autoeuropa. ANDRÉ AREIAS/LUSA

Setúbal: Operestiva disposta a negociar se estivadores voltarem ao trabalho

Primeira-ministra Theresa May, 14 de novembro de 2018. EPA/FACUNDO ARRIZABALAGA

Brexit: May consegue apoio do Governo e aprova rascunho do acordo final

Outros conteúdos GMG
Terapia. O segredo do sucesso de Jay-Z e outros líderes de negócios