Segurança Social

Confederação de reformados pede alteração das regras de atualização de pensões

Reformados

Confederação Nacional de Reformados, Pensionistas e Idosos/MURPI defende que as regras em vigor "são desadequadas e injustas".

A Confederação Nacional de Reformados, Pensionistas e Idosos/MURPI pediu a alteração das regras de atualização das pensões, considerando que, em 2017, “só o aumento extraordinário das pensões permitirá repor o poder de compra”.

Num comunicado divulgado esta terça-feira, o MURPI sustenta que as regras de atualização anual de pensões “são desadequadas e injustas” e que, embora a atualização de 0,5% do valor, para 2017, contemple mais pensões, as de montante até 844 euros, ela é “insuficiente e penalizadora”.

O MURPI entende que a alteração das regras de atualização anual das pensões deve contemplar “a justa fixação dos valores das pensões para níveis compatíveis com padrões de vida digna”.

A nota salienta que o aumento extraordinário das pensões, a partir de agosto, de acordo com o Orçamento do Estado 2017 (OE2017), “não abrangeu milhares de reformados, que continuam a ser fortemente penalizados pelo congelamento das suas pensões”.

A medida prevista no OE2017, assinala o MURPI, engloba 2,8 milhões de reformados e pensionistas, e traduz-se num aumento de 10 euros, para pensões até 632 euros, e de 6 euros, para “pensões mínimas que tiveram ligeiros aumentos entre 2011 e 2015”.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, da Administração e do Emprego Público, Maria de Fátima Fonseca (E), dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (2-E), do Orçamento, João Leão (2-D), e do Tesouro, Álvaro Novo (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Conheça as principais medidas do Orçamento do Estado para 2019

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (E), do Orçamento, João Leão (2-D), e o Adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Dos partidos aos sindicatos, passando pelo PR, as reações ao OE 2019

Outros conteúdos GMG
Confederação de reformados pede alteração das regras de atualização de pensões