Segurança Social

Confederação de reformados pede alteração das regras de atualização de pensões

Reformados

Confederação Nacional de Reformados, Pensionistas e Idosos/MURPI defende que as regras em vigor "são desadequadas e injustas".

A Confederação Nacional de Reformados, Pensionistas e Idosos/MURPI pediu a alteração das regras de atualização das pensões, considerando que, em 2017, “só o aumento extraordinário das pensões permitirá repor o poder de compra”.

Num comunicado divulgado esta terça-feira, o MURPI sustenta que as regras de atualização anual de pensões “são desadequadas e injustas” e que, embora a atualização de 0,5% do valor, para 2017, contemple mais pensões, as de montante até 844 euros, ela é “insuficiente e penalizadora”.

O MURPI entende que a alteração das regras de atualização anual das pensões deve contemplar “a justa fixação dos valores das pensões para níveis compatíveis com padrões de vida digna”.

A nota salienta que o aumento extraordinário das pensões, a partir de agosto, de acordo com o Orçamento do Estado 2017 (OE2017), “não abrangeu milhares de reformados, que continuam a ser fortemente penalizados pelo congelamento das suas pensões”.

A medida prevista no OE2017, assinala o MURPI, engloba 2,8 milhões de reformados e pensionistas, e traduz-se num aumento de 10 euros, para pensões até 632 euros, e de 6 euros, para “pensões mínimas que tiveram ligeiros aumentos entre 2011 e 2015”.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: MIGUEL A. LOPES/LUSA

Governo reconhece progressões a 344 mil trabalhadores, pelo menos

Faria de Oliveira, presidente da APB

APB garante que bancos vão refletir Euribor negativa nos créditos à habitação

Donald Trump, Presidente dos Estados Unidos. REUTERS/Leah Millis

Trump põe tudo na mesa. Parada na guerra com China sobe para 500 mil milhões

Outros conteúdos GMG
Confederação de reformados pede alteração das regras de atualização de pensões