BPN

Parvalorem tem 10 mil processos pendentes em tribunal

Fotografia: Gerardo Santos / Global Imagens
Fotografia: Gerardo Santos / Global Imagens

A Parvalorem tem mais de 10 mil processos em tribunal, a maior parte relativos a crédito em incumprimento

A Parvalorem tem mais de 10 mil processos em tribunal, a maior parte relativos a crédito em incumprimento, que ascende a 2.500 milhões de euros no total.

Segundo a informação disponibilizada pela empresa criada em 2010 para ficar com os empréstimos (sobretudo ‘tóxicos’) do ex-BPN, no final de 2015, a carteira de crédito ascendia a 3.160 milhões de euros, sendo que 80% são créditos cujos devedores estão em incumprimento, ou seja, 2.500 milhões de euros.

Já os restantes 20%, equivalente a 660 milhões de euros, são empréstimos que estão a ser pagos normalmente pelos clientes.

“A existência de mais de 10.000 processos judiciais em curso (e cuja natureza varia desde ações declarativas até às insolvências, passando naturalmente pelas ações executivas) incide essencialmente sobre os processos que se encontram em incumprimento”, disse à Lusa o presidente da Parvalorem, Francisco Nogueira Leite.

No entanto, o responsável explicou que nem todos os processos judiciais em curso decorrem da ação direta da empresa, uma vez que em muitos casos foram os próprios devedores em incumprimento que pediram o estatuto de Processo Especial de Revitalização (PER) ou em que foram apresentadas ações por terceiros, o que obriga a Parvalorem a reclamar de créditos.

Já no relatório do conselho fiscal da Parvalorem relativo a junho de 2016, disponível na sua página na Internet, são referidos os mesmos 10 mil processos legais em curso e é dito que “92% dos valores em dívida” estão “associados a processos judiciais”. Refere ainda a Parvalorem que “62% da carteira não tem quaisquer garantias associadas”.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ricardo Mourinho Félix, Secretário de Estado Adjunto e das Finanças. 
( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

“Cidadãos não vão tolerar situações que ponham estabilidade financeira em risco”

Ricardo Mourinho Félix, Secretário de Estado Adjunto e das Finanças. 
( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

“Cidadãos não vão tolerar situações que ponham estabilidade financeira em risco”

Lisboa, 22/11/2019 - Money Conference, Governance 2020 – Transparência e Boas Práticas no Olissippo Lapa Palace Hotel.  António Horta Osório, CEO do Lloyds Bank

( Filipa Bernardo/ Global Imagens )

Horta Osório: O malparado na banca portuguesa ainda é “muito alto”

Outros conteúdos GMG
Parvalorem tem 10 mil processos pendentes em tribunal