Suécia reforça energia nuclear

Sociais-democratas e os verdes chegaram a acordo com a oposição para a construção de um máximo de dez reatores

O governo de esquerda na Suécia anunciou hoje que vai manter a energia nuclear e substituir reatores em fim de vida, esquecendo as promessas de um abandono progressivo das centrais nucleares.

Apesar das promessas feitas, durante a campanha para as legislativas de 2014, de suspensão do desenvolvimento da política nuclear, os sociais-democratas e os verdes chegaram a acordo com a oposição para a construção de um máximo de dez reatores para compensar o encerramento das unidades envelhecidas ou não-rentáveis.

O objetivo é garantir o fornecimento energético do país a longo prazo, de acordo com o documento assinado, pela direita, pelos moderados, centro e cristãos-democratas.

"A Suécia deve dotar-se de uma rede elétrica sólida, caracterizada por uma elevada segurança no fornecimento, um fraco impacto ambiental e tarifas concorrenciais", de acordo com o texto do acordo.

O partido de Esquerda (extrema-esquerda), os liberais e os Democratas da Suécia (extrema-direita) não são signatários do acordo, que a organização não-governamental (ONG) ecologista Greenpeace considerou "um travão ao desenvolvimento de energias renováveis".

O governo decidiu também abolir, em 2019, uma taxa sobre a produção nuclear, mas o Estado vai recuperar o imposto perdido - cerca de 500 milhões de euros por ano - com uma subida do IVA sobre a eletricidade.

O fim desta taxa era "uma condição prévia importante" para os investimentos necessários à modernização do parque nuclear sueco, indicou, em comunicado, Magnus Hall, diretor-geral da companhia pública de eletricidade Vattenfall, gestora de sete reatores.

Dos nove reatores em funcionamento, construídos nas décadas de 1970 e 1980, três devem ser encerrados até 2020: dois na central de Ringhals (oeste), e um em Oskarshamn (sudeste), onde a filial sueca do grupo alemão E.ON é maioritário. A central Oskarshamn 2 já foi encerrada.

O acordo fixa um objetivo de 100% de energias renováveis até 2040 e defende um investimento nas energias solar, eólica, hidráulica e nas bioenergias.

Questionado sobre este objetivo é compatível com a manutenção do nuclear, o ministro da Energia social-democrata, Ibrahim Baylan, respondeu: "É um compromisso".

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de