Criativos no Mundo

Da VML para a Oliver. Português vai liderar a criatividade da Unilever na Europa

Frederico Roberto
Frederico Roberto

Frederico Roberto vai estar integrado inhouse, através da agência Oliver, junto da Unilever

O criativo no mundo Frederico Roberto é o novo diretor criativo sénior da Oliver com responsabilidade sobre a conta da Unilever na agência. A partir de Londres vai ser, a partir de 1 de fevereiro, responsável pela comunicação de marcas como a Dove, a Axe ou a Ben & Jerry’s para o mercado europeu.

Após cerca de três anos na agência digital VML, onde era diretor criativo, muda-se para uma agência que trabalha em sistema inhouse com os anunciantes. “O poder criativo de trabalhar a própria marca, saber todos os detalhes do negócio que não apenas o marketing, que não apenas a publicidade foi o que me atraiu na Oliver. Quem tem espírito empreendedor, é mesmo o melhor de dois mundos”, diz o criativo.

“O modelo das agências de publicidade de hoje em dia está gasto, obsoleto, lento e pouco interessante. Estas são as principais razões pelas quais grandes agências e mega holdings estão pelas ruas da amargura a serem compradas por tuta e meia pelas grandes consultoras. Já nenhum cliente se interessa por retainers e fees fixos e as agências estão agora dependentes de projetos ad hoc, isolados e pontuais. Para um criativo, isto é muito pouco”, refere.

Na Oliver vai ser “responsável por todos os pontos de contacto da vida de um produto, desde a sua conceção, branding, naming, packaging, comunicaçāo, preço, etc.”, de um dos maiores anunciantes do mundo, a Unilever, nas áreas Personal Care, Homecare e Food & Drinks. Ou seja, vai trabalhar marcas como Comfort, Domestos, Persil, Cif, Surf, Dove, Axe, Rexona, Brut, TRESemme, Knorr, Lipton, Ben & Jerry’s, entre outras.

“Sendo uma equipa inhouse da Oliver dentro da própria Unilever, terei uma equipa formada por criativos e planners, brand editors e brand guardians cujo papel é criar um ambiente de trabalho criativo e eficiente”, descreve Frederico Roberto. O criativo reporta diretamente a Allison Kater, Chief Client Officer, responsável pelo cliente Unilever na Oliver, que conta com mais 70 pessoas só para este cliente.

Desde a sua fundação, há mais de 15 anos, a Oliver sempre teve como modelo de negócio trabalhar junto dos clientes em sistema inhouse. Modelo que parece estar a ganhar adeptos junto dos anunciantes. “Até há dois anos a esta parte, a Oliver era considerada apenas como produtora de conteúdo e não uma agência criativa de pleno direito. Neste momento, existe uma Oliver dentro do Google, da Starbucks, da Unilever, do The Guardian…”, descreve Frederico Roberto.

BMW, Hasbro, Pepsi, Virgin Holidays e Virgin Media são alguns dos clientes trabalhados pela agência.

“Trazerem-me para a Oliver foi uma decisão que está aliada ao desejo da agência querer fazer mais e melhor trabalho criativo e ao facto de, cada vez mais, a Unilever afastar-se do modelo tradicional de relacionamento com agências. Há 2 anos, a Unilever trabalhava com 3 mil agências em todo o mundo. Agora com apenas 1500. O rumor que corre é que quer cortar esse número para metade novamente”, diz.

Há seis anos em Londres, primeiro na FCB Inferno, depois na Jam e, mais recentemente, na VML, Frederico Roberto faz um balanço positivo da sua passagem pela agência digital onde trabalhou marcas como a Xbox, Virgin Active, Xbox, Colgate (Perfect Foundation) e Bentley Motors, para o qual desenvolveu o projeto Bentley Inspirator, que ganhou o prémio de melhor aplicação do ano em 2016 no Reino Unido.

“Espero um dia poder voltar à VML. Tem gente muito boa em todo o mundo. Tive a oportunidade de trabalhar em vários projetos globais da WPP com alguns dos nomes mais importantes da network e foi uma experiência muito gratificante.”

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Fotografia: Tiago Melo

Crédito chega às famílias mas nunca foi tão baixo para as empresas

Passageiros de um cruzeiro aportado em Lisboa, 22 de dezembro de 2017. Fotografia: Artur Machado/Global Imagens

10.º maior destino das exportações não é um país, são barcos e aviões

Maria Luís Albuquerque posa após entrevista nos estúdios da TSF. Economista, professora universitária e Ministra das Finanças de Portugal entre 2013 e 2015 é deputada e Vice Presidente do Partido Social Democrata (PSD). 
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Maria Luís: “Acho difícil que o PS apresente um OE que mereça a nossa aprovação”

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Da VML para a Oliver. Português vai liderar a criatividade da Unilever na Europa