Este lago foi um tubarão de audiências

Los Angeles, maio de 2013. Pedro Boucherie Mendes, diretor da SIC Radical, entra num restaurante. Sentado encontra um conhecido do canal: Kevin O"Leary, o Mr. Wonderful de Lago dos Tubarões - Shark Tank, no original. Great, great (fantástico) foi a reação quando Boucherie disse que o programa era emitido em Portugal. "Confesso que é alguém com quem me identifico: ele entra nos negócios só a pensar no dinheiro que vai ganhar. E eu acho que um negócio só faz sentido se gerar receita", diz Pedro Boucherie Mendes.

O Lago dos Tubarões - Shark Tank rapidamente provou fazer sentido

para o canal. O"Leary & companhia revelaram-se uma verdadeira

máquina geradora de audiências. "Depois do Gordon Ramsay é o

programa mais visto e ajudou a consolidar as audiências da SIC

Radical, que estão em patamares históricos", admite Boucherie

Mendes. A SIC Radical fechou julho com 0,8% de audiências e um share

de 14,5%. Um ano antes as audiências fixavam-se nos 0,6%, com o

canal temático a registar um share de 11,8%. O Lago dos Tubarões

começou a ser emitido há mais de dois anos ao sábado à noite "com

bastante sucesso", mas a mistura de investidores duros que competem

para fazer e desfazer negócios fez realmente clique com o público

da Radical, quando passou a ser emitido diariamente, de segunda a

sexta-feira, entre as 23h e a meia-noite. A quinta e última

temporada foi vista, em média, por 56,6 mil telespectadores, tendo

gerado uma audiência média de 0,6%, com 1,7% de share no seu

horário. Foi a melhor temporada de sempre.

Boucherie Mendes acredita que muito do sucesso de Lago dos

Tubarões se deve a ser um programa que tanto agrada a avós como a

netos. E a mulheres. A SIC Radical tem historicamente um perfil de

audiência mais masculino, mas no Lago dos Tubarões é "mais

equitativo".

O atual clima do país, que começou a valorizar o boom de novos

fazedores - portugueses que (re)descobriram talentos e os

transformaram em negócios -, também pode ter tornado Lago dos

Tubarões um magneto de audiências, admite Boucherie Mendes. Lições

de gestão, conselhos sobre como investir, como fazer apresentações

perante um público difícil... Tudo isto nos é dado em meia hora de

programa.

"O Lago dos Tubarões é muito interessante e tem tido muito

impacto nos Estados Unidos", diz o diretor da SIC Radical. "Nesta

última temporada até houve alguma polémica porque as pessoas que

iam ao programa já nem procuravam investimento mas apenas exposição

pública. Sabiam que depois iam ter uma subida nas encomendas",

conta. Por cá, o êxito também teve consequências: no próximo

ano, será criada a versão portuguesa do programa - pela mão de

António Carrapatoso, o CEO da Vodafone Portugal, tal como noticiou o

Dinheiro Vivo -, que vai passar na SIC generalista. O gestor, que tem

um fundo de investimento, poderá ser um dos potenciais tubarões.

Haverá dificuldade em encontrar os tubarões perfeitos para fazer

as vezes de Kevin O"Leary (da O"Leary Investments) ou Mark Cuban

(dono dos Dallas Mavericks)? "O que interessa é encontrar os

ingredientes que façam do Lago dos Tubarões um sucesso", diz

Boucherie Mendes. "No limite é possível fazer o programa com

business angels. O sucesso vai depender mais dos negócios a concurso

do que propriamente dos tubarões", acredita o responsável dos

canais temáticos da SIC.

Entretanto, haverá mais Shark Tank na SIC Radical - a data de

arranque da sexta temporada ainda está por fechar. Até lá, o canal

estreia, na segunda-feira, a versão canadiana de Dragon"s Den -

Empreendedores à Prova, o formato original japonês que inspirou o

Shark Tank e que conta com dois dos tubarões que vemos no Lago:

O"Leary e Robert Herjavec (Herjavec Group).

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de