Festival de arte urbana Push Porto quer criar circuito de turismo alternativo

O festival Push Porto, que se realiza pela primeira vez e vai incluir a intervenção de artistas nacionais e internacionais em várias paredes da cidade, espera que o Porto entre nos circuitos de turismo alternativos, disse a organização.

O evento vai incluir também oficinas e palestras em diversos pontos da cidade entre 13 e 21 de setembro, contando com o apoio da Câmara Municipal do Porto.

Em declarações à Lusa, um dos organizadores, André Carvalho, disse que a expectativa é que dentro de dois ou três anos exista "um turismo alternativo na cidade" e que a própria população comece a olhar de outra forma para a comunidade artística, de forma a tornar o Porto num "enorme foco de cultura".

Leia também: Instituições do Porto criam novo circuito turístico com bilhete único

"Tudo o que ia sendo criado era apagado e às vezes mais rápido do que o próprio lixo visual", afirmou o elemento da Circus, entidade responsável pela organização do Push Porto.

A Circus esteve por trás da pintura de um mural de grandes dimensões numa esquina da rua Miguel Bombarda, da autoria de Mesk, Fedor e Mots, num edifício cujo proprietário, disse André Carvalho, teve de pintar a parede oito vezes no espaço de um ano até ao momento em que o mural foi criado. Desde então nunca mais foi sujo.

O financiamento para o Push Porto advém de fontes como a angariação de fundos digital via 'crowdfunding', a Câmara Municipal do Porto e "a boa vontade de muita gente", incluindo empresas que contribuíram com diversos elementos para a realização do evento, desde andaimes a viagens e alojamento de artistas.

André Carvalho dá o exemplo de pessoas que entraram em contacto com a Circus dizendo não saber utilizar o meio de pagamento virtual Paypal e se poderiam entregar uma quantia como dois euros presencialmente.

"O Porto é muito especial nesse aspeto", referiu André Carvalho, em relação à solidariedade demonstrada pelas pessoas.

No entanto, o festival conta com 10 paredes pela cidade legalizadas para pintura, mas só tem orçamento para a intervenção artística em seis.

O Push Porto, em comunicado, anunciou que iria receber artistas como o Coletivo Rua (Oker, Draw, Fedor e Alma), que vai colaborar com o húngaro Breakone, os alemães Vidam e Look do coletivo The Weird que vão pintar a fachada lateral do edifício PINC da UPTEC, Mr. Dheo, entre outros.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de