comunicação

Festival Política.Um beijo, speed dating e outros motivos para não se abster

Bárbara Rosa e Rui Oliveira Marques da organização do Festival Política

Fotografia: D.R.
Bárbara Rosa e Rui Oliveira Marques da organização do Festival Política Fotografia: D.R.

Speed dating com deputados, debates, concertos e a estreia de Morte de Estaline. O Festival Política arranca na quinta-feira, no São Jorge, em Lisboa

Não votar tem consequências, lembrou o Festival Política na sua primeira edição. Este ano o festival quer combater a discriminação e falar de direitos humanos mas de forma algo inesperada.

Na sua segunda edição, o Festival Política cresceu. De dois passou a quatro dias e a ocupar todas as salas do cinema São Jorge, em Lisboa. Todas as atividades são gratuitas.

Rui Oliveira Marques, um dos co-organizadores do Festival Política com Bárbara Rosa, dá 5 motivos para não perder este evento que arranca quinta-feira e se prolonga até domingo, 22 de abril.

Leia aqui as escolhas de Rui Oliveira Marques.

1. O beijo. No ano passado o spot do Festival Política tinha uma mensagem dura ao confrontar os portugueses sobre as consequências de deixar a decisão do voto nas mãos de pessoas racistas, misóginas, homofóbicas e intolerantes. O anúncio teve muito impacto ao ponto de ter passado no minuto 10 do Jornal das 8 da TVI e de se ter tornado viral em França, onde a versão legendada em francês teve mais de 1,2 milhões de visualizações quando começou a ser usado pelos apoiantes de Macron nas presidenciais contra a Marine Le Pen. Este ano voltamos a contar com a Krypton e o João Gomes de Almeida num spot que materializa o tema central da edição deste ano: Direitos Humanos e combate à discriminação. O filme responde ao nosso desafio de uma forma totalmente inesperada.


2. Música. Pela primeira vez o Festival Política terá concertos. Na quinta-feira (19h30) o quarteto dos Solistas da Orquestra Metropolitana de Lisboa, apresenta “Compositores exilados” constituído por duas obras de compositores marginalizados pelos respetivos regimes – o salazarista em Portugal e o nazi na Alemanha. Na sexta (21h30) recebemos o Fado Bicha, um projeto de fado queer que está a subverter as regras do fado tradicional e que, curiosamente, ainda não é muito conhecido em Portugal apesar de já estar a ter repercussão em Espanha. No sábado (21h30) teremos a performance vídeo-musical “Ouvir com outros olhos”, a cargo de Nuno Meneses e Gabriela Almeida que promete ser uma reflexão, tanto visual como auditiva, sobre os temas transversais ao festival.

3. Debates. Teremos três debates e três workshops/conversas. Logo na quinta (17h30) o festival abre com “A Justiça é Racista?” As perguntas não ficam por aqui. Queremos saber se a legislação portuguesa garante uma proteção eficaz contra o racismo e a xenofobia e se as instituições são eficientes a combater a não discriminação no exercício de direitos por motivos baseados na raça, cor, nacionalidade ou origem étnica. É de esperar que o speed dating com deputados, à semelhança do ano passado, tenha muita adesão.

4. Estaline. Há quem tenha achado irónico termos escolhido uma comédia para a abertura oficial do Festival Política. Graças ao apoio da Cinemundo vamos apresentar em ante-estreia (quinta às 21h30) o filme do britânico Armando Iannucci, que relata de forma burlesca os últimos dias de vida de Estaline e a reação de quem o rodeia após a sua morte. A exibição de “A Morte de Estaline” foi proibida na Rússia. Quem vir o filme vai perceber bem o porquê. É sempre complicado fazer humor a partir da História mais trágica de um país. O filme tem estreia comercial na semana a seguir.


5. Criativos. Queremos envolver a comunidade artística e criativa na discussão política e pública. Por isso contamos com o apoio do Canal 180 que esta quinta-feira (18h30) nos traz três curtas que cruzam ativismo, criatividade e política, tendo como ponto de partida os festivais TodaysArt e What Else Europe, na Holanda, e o 180 Creative Camp, em Abrantes. Estará connosco Thomas Mandl, fotógrafo e activista organizador do What Else Europe, para nos explicar como podem os criativos ajudar a pensar noutro modelo de Europa que dê resposta ao populismo e ao descontentamento que parece estar a instalar-se no agora desencantado sonho europeu.”

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

Pedro Queiroz Pereira

Pedro Queiroz Pereira deixa império de mil milhões

Pedro Queiroz Pereira, presidente do conselho de administração da Semapa

Semapa: “Mais do que um património, PQP deixa força e deixa valores”

Outros conteúdos GMG
Festival Política.Um beijo, speed dating e outros motivos para não se abster