criatividade

De Lisboa a Berlim. Lenovo convida criativo português a estar presente na IFA

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

Filipe Simões é designer na Fullsix e um influenciadores convidados pela Lenovo a marcar presença numa das maiores feiras de tecnologia europeias

É português e um dos 16 criativos convidados pela Lenovo a estar presente na IFA Berlim, uma das maiores feiras europeias de inovação tecnológica. Filipe Simões, 26 anos, é designer na Fullsix e um influenciador com mais de 30 mil seguidores no Instagram.

Foi essa face de influenciador que levou a tecnológica chinesa convidá-lo a responder a um desafio. E foi bem sucedido, tanto que é um de 16 influenciadores que vão à cidade alemã. Há três anos que conjuga a sua vida de designer com o seu papel de influenciador para marcas como Beefeater, Garnier, Vichy, entre outras. Cheese Me e Sammy Road são algumas das agências de marketing de influência com quem trabalha, mas muitas marcas, como foi o caso da Lenovo, contactam o criativo diretamente.

01_vichy

Formou-se em Design, na Faculdade de Belas Artes de Lisboa, fez um estágio na agência Latitudes e, prestes a terminar o curso foi contratado pela Grand Union. “O que me fez sentir o verdadeiro significado da palavra “medo”. Medo pela responsabilidade de trabalhar grandes clientes e marcas que me eram familiares e que, de tão marcantes, não podiam ser desiludidas. Se dois dias antes estava a entregar projetos académicos, naquele momento tinha o planeamento recheado de nomes como Coca-Cola, EDP, Gallo, Sagres, Leroy Merlin, entre outras”, recorda. “O ‘síndrome do impostor’ fez-se sentir e lembro-me de achar a oportunidade demasiado ambiciosa. A verdade é que sentir medo faz parte do processo, e este medo que eventualmente dá lugar à experiência faz-nos perceber que, quando desafiados, desenvolvemos capacidades e metodologias das quais não nos julgamos capazes.”

Na Grand Union trabalhou com Foan82, Diografic, João Conceição, João Gomes, André Trindade entre muitos outros.”Permitiu-me desenvolver métodos, ferramentas e construir um portefólio que abriu muitas portas”, conta Filipe Simões. Depois da Grand Union, transitou para a View Isobar trabalhando contas como Lipton, Huawei, Cin, Vaqueiro, Cofidis, etc, mas como bom filho à casa mãe retorna, voltou ao grupo Fullsix. “Agora com outro caminho a percorrer, um passo criativo de cada vez”.

 

04_Delta

És o representante português de um conjunto de 16 influenciadores convidados pela Lenovo para o IFA 2018. Como surgiu este convite e que desafio te foi pedido?

A Lenovo convidou um grupo de influenciadores a ilustrar o potencial dos dispositivos tecnológicos na atualidade. Tive a sorte de me incluírem nesta seleção e de estar entre os 16 premiados com uma viagem a Berlim e com a oportunidade de marcar presença neste evento de tecnologia.

Esta não é a primeira vez que trabalhas como influenciador com marcas. Como é que esta atividade surgiu na tua vida?

Foi um inesperado destaque no @publicop3 que acendeu esta “chama do Instagram”. Depois dos destaques e dos concursos, chegaram as marcas e entretanto já lá vão três anos desta aventura.

Qual o teu maior desafio até hoje?

Na verdade todo este percurso acabou por se mostrar desafiante, até porque nunca me imaginei a usar a fotografia de forma profissional e muito menos a explorá-la de forma criativa. Foi acontecendo.
No entanto, houve um pedido específico para fotografar um estimulante capilar que pouco ou nada tinha a ver com o meu tipo de conteúdo. Seria expectável recusar este pedido, mas ao mesmo tempo pareceu-me desafiante agarrar no aparentemente “aborrecido” e torná-lo divertido – afinal ser criativo é isso mesmo. No geral, foi das fotografias que mais gozo me deu.

03_ChipsAhoy

És o caso de dia publicitário, à noite influenciador ou, neste momento, as duas faces confundem-se?

Acabei por descobrir que são duas faces que não só se influenciam como acabam por se complementar.
Na publicidade e no Design de Comunicação existe o desafio diário de encontrar e comunicar potencial nas coisas mais simples e nos produtos mais banais. O Instagram e o marketing de influência acabam por ser um trabalho de casa que te faz praticar o raciocínio criativo em pequenas doses. Neste caso, é um trabalho de casa que se faz nas horas vagas e sempre que há um cenário, personagens e uma ideia.

São atividades que se auto alimentam?

Influenciam-se e complementam-se. Uma acaba por estimular a outra e geram um loop de produtividade.

O mercado nacional tem-se profissionalizado, com agências a gerir carreiras de influenciadores. Como olhas para este fenómeno e que diferenças encontras da fase em que começaste?

É impressionante como as coisas mudaram nos últimos anos. Começando pelo próprio conceito de “influenciador”, que evoluiu de palavra a profissão e passando por todo um mercado de oportunidades que se gerou à volta desta ideia. Nestes três anos assisti a uma espécie de passagem de épocas. Se antes existiam pessoas a publicar conteúdos por diversão e que, naturalmente desenvolveram comunidades e receberam este título de influenciadores, hoje em dia já existe muito uma procura propositada de atingir e desempenhar esta função.

02_Tabasco

O Instagram é a tua forma principal de expressão? Porquê?

Pelo contrário, estudei Design e esse tem tido a minha maior dedicação. Como consequência sempre me concentrei em redes sociais focadas nessa área, como o Behance e o Dribbble. Depois de algum tempo aplicado na aprendizagem e acompanhamento do que surgia no digital, tornou-se exaustiva a carga horária dedicada ao trabalho. Neste contexto o Instagram surge como fórmula de escape e descontração. Ironicamente acabou por se fundir com o trabalho e agora até o momento de descontração já recebe um briefing. A verdade é que, para mim, o Instagram se tornou uma peça fundamental para treinar a criatividade.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Teste - Redação DV

Liberdade e sustentabilidade dos media, com ou sem apoio do governo?

Regime dos residentes não habituais garante isenção de IRS a quem recebe pensões do estrangeiro.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Primeiros 18 residentes não habituais prestes a perder benefício

Miguel Albuquerque, do PSD Madeira.

Projeção. PSD perde maioria absoluta na Madeira

Outros conteúdos GMG
De Lisboa a Berlim. Lenovo convida criativo português a estar presente na IFA