marca

Paladin. Da Golegã para a Coreia do Sul com a bagagem cheia de piripíri

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

A marca entra em agosto na Coreia do Sul, com uma gama de 16 produtos. China e Tailândia poderão ser os próximos mercados-alvo

Não vão faltar condimentos na entrada da portuguesa Paladin na Coreia do Sul. A começar pelo piripíri. A gastronomia local vai ter um saborzinho extra já a partir de agosto. Ao todo são 16 os produtos com que a marca made in Golegã pretende conquistar as papilas gustativas dos consumidores sul-coreanos. Em três anos, querem vender 300 mil euros em molhos e vinagres para este mercado asiático. China e Tailândia são os próximos alvos. E até 2019 querem abrir uma nova fábrica no mercado externo. Há dois países que já estão a ser estudados pela Paladin.

Japão e Índia eram já velhos conhecidos da marca detida pela Mendes Gonçalves. “A Coreia do Sul surgiu naturalmente como um objetivo a atingir dado ser um mercado fortemente emergente e com uma população jovem, que gerou uma classe de consumidores que procura a diferenciação e é muito recetiva à experimentação de culturas e sabores diferentes”, diz João Pilão, diretor de marketing e internacionalização da empresa.

A Paladin vai, assim, contribuir para o reforço das exportações de Portugal para este mercado. No ano passado, as vendas portuguesas para a Coreia do Sul somaram 106 milhões de euros, mais 13,7% do que em 2015. Neste ano, só até maio, já cresceu mais 32%, atingindo a marca de 53 milhões.
A área alimentar não é a que representa a maior fatia da exportação nacional para este território – é sobretudo plásticos, máquinas e aparelhos elétricos – e a Paladin tem um caminho pela frente para conquistar os consumidores sul-coreanos para os seus sabores.

MG (19 de 103)

“É evidente que estamos a falar num trabalho de longo prazo. Implantar uma marca não é vender contentores, é trabalhar o mercado para que um dia a marca seja relevante na classe de consumidores para quem a direcionámos”, frisa o diretor de marketing.

A escolha dos 16 produtos com que vão atacar o mercado foi por isso pensada com cuidado. Tinham de acrescentar “inovação e diferenciação” à oferta já existente, mas não ao ponto de chocar com o gosto do consumidor local. E, igualmente relevante, posicionar o produto ao preço certo. A gama será vendida a um valor 5% a 10% inferior aos das grandes marcas multinacionais, garantindo que produtos como vinagres de manga ou frutos ou molhos tártaro, manga & caril ou o famoso piripíri não ficam nas prateleiras por falta de competitividade no preço.

Paladin à venda na Lotte
O trabalho de seleção dos 50 produtos que compõem a gama de produzida pela Paladin foi feito em colaboração com o parceiro local: a Seoyoung e&t. A empresa, distribuidora exclusiva para a Coreia do Sul, foi “essencial para definir a correta estratégia para o mercado”. Com a Seoyoung e&t, a Paladin garantiu ainda cobertura nacional, num país com mais de 51 milhões de habitantes. “O produto vai estar à venda no mercado em geral, pois a empresa coreana tem uma cobertura nacional dos canais de distribuição. E, mesmo antes da chegada do primeiro contentor, já conseguiu garantir a entrada da marca na maior cadeia de hipermercados da Coreia, que é a Lotte”, adianta João Pilão. A Lotte tem 140 lojas a nível nacional, mas a marca vai estar ainda presente em outros pontos de venda.

Depois de colocado o produto há que testar in loco a recetividade. “De início, e até para entendermos melhor se acertamos na linha de produtos e para vermos as reações dos consumidores coreanos, vamos trabalhar muito com o nosso distribuidor ao nível de ações de ponto de venda, de forma a estarmos mais em contacto com o consumidor final”, explica.

_MG_4318

As expectativas são elevadas. “Temos fortes expectativas em relação ao mercado e o facto de já termos garantida a entrada da marca na maior cadeia de hipermercados sul-coreana alimenta essas expectativas”, reconhece João Pilão. A nível de vendas o objetivo já está traçado: “Queremos estar, daqui a três anos, a vender a preços de exportação cerca de 300 mil euros para esse mercado.”

Exportação vai valer 30%
Presente em mais de 30 países – com territórios como Marrocos, Arábia Saudita ou Reino Unido a registarem bons crescimentos -, a Paladin calcula que o mercado externo deva representar já um terço das vendas no final do ano. Ao certo o que vale esse terço a marca não revela, nem as receitas globais, apenas que em 2017 esperam fechar “com contas acima do ano passado, quer em vendas quer em lucros”. Planos não faltam para expandir a presença geográfica da Paladin na região. “Temos outros mercados em estudo, como, por exemplo, a China e a Tailândia.”
Em Portugal as vendas estão igualmente a surpreender pela positiva, com resultados “muito acima do esperado”. “Estamos com crescimentos de dois dígitos e tudo indica que iremos mantê-los até final do ano”, adianta o diretor de marketing e internacionalização Paladin, sem revelar valores.

A marca da Mendes Gonçalves, relançada em 2013, prepara-se também para investir na fábrica na Golegã. “Estamos neste momento a investir numa nova linha de produção de molhos que irá aumentar a nossa capacidade em cerca de 25% e temos outros investimentos previstos, até na área de Investigação & Desenvolvimento”, adianta o responsável. Montantes de investimento? Não abrem o jogo.
Abrir fábricas no exterior faz parte da estratégia de crescimento. “Temos dois países em estudo, mas tal não sucederá antes de 2019”, afirma João Pilão, mantendo o segredo dos países destino. Serão no mercado asiático, onde estão a expandir? “Não nesta fase, pois os produtos para o mercado asiático estão muito orientados para a diferenciação e inovação e não necessitam de ter a produção local para serem competitivos.”

Em Angola, onde a Mendes Gonçalves abriu em 2015 uma fábrica de vinagre, num investimento de três milhões de euros, a operação, totalmente dirigida para este mercado africano, está a cumprir os objetivos. “Tem corrido bastante bem e neste ano vamos já ultrapassar as nossas melhores estimativas, produzindo e vendendo mais de 13 milhões de garrafas de vinagre.”

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Biedronka

Polónia multa Jerónimo Martins em 26 milhões por práticas enganadoras nos preços

António Ramalho, CEO do Novo Banco. Fotografia: Tiago Petinga/Lusa

Novo Banco vendeu seguradora com desconto de 70% ‘coberto’ pela ajuda do Estado

Fotografia: D.R.

Novo Banco. GNB teve idoneidade verificada pelo regulador

Paladin. Da Golegã para a Coreia do Sul com a bagagem cheia de piripíri